Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Oito em cada dez brasileiros não sabem administrar despesas, aponta pesquisa nacional

Segundo o estudo, mais de um terço dos brasileiros (36%) não sabe o valor exato das contas que terão no mês seguinte. Endividamento está ligado mais ao comportamento do que à renda

Para Marcelo Souza, os cartões de crédito são os vilões das dívidas

Para Marcelo Souza, os cartões de crédito são os vilões das dívidas (Antonio Lima)

Oito em cada dez brasileiros tem dificuldades em controlar as próprias despesas, mostra estudo do SPC Brasil e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). O consumidor médio brasileiro gasta mais do que ganha, não guarda dinheiro e tampouco planeja o próprio futuro, tanto que oito em cada dez entrevistados (81%) têm pouco ou nenhum conhecimento sobre como fazer o controle das despesas pessoais.

As conclusões são da mais recente pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

De acordo com os dados, apenas 18% dos entrevistados têm conhecimento total sobre o fluxo de receitas e despesas no orçamento pessoal. A maioria (71%) tem apenas conhecimento parcial de suas finanças e outros 10% têm baixo ou nenhum conhecimento.

Ao contrário do que o senso comum possa imaginar, não há diferença significativa entre os estratos sociais. Entre os que têm renda domiciliar de até R$ 1.330,00, o conhecimento pleno é de 16%, somente 15% dos que ganham entre R$ 1.331,00 e R$ 3.140,00 apresentam total conhecimento.

Dentre os que têm renda acima de R$ 3.141,00, o percentual sobe para 23%. Na avaliação da economista do SPC Brasil, Luiza Rodrigues, os dados reforçam a ideia de que a educação financeira está ligada ao comportamento e não necessariamente à renda dos indivíduos. “É uma questão de hábito. Mais dinheiro no bolso nem sempre significa melhor comportamento financeiro, incluindo pagamento de contas, uso do crédito e hábito de compras”, explica.

Maus Hábitos

Mais de um terço dos brasileiros (36%) admitiram não saber o valor exato das contas que terá de pagar no mês seguinte, enquanto 57% afirmaram não saber com precisão o quanto terão de desembolsar no próximo mês.

Quatro em cada dez (38%) brasileiros que possuem conta corrente em banco admitem terem entrado pelo menos uma vez no cheque especial nos últimos 12 meses – sendo que 30%, mais de duas vezes.

Pelo menos 40% dos que têm cartão de crédito já deixaram de pagar a fatura integral no último ano, sendo que 26% são reincidentes e atrasaram mais de duas vezes ao menos.

Dos entrevistados com conta em banco, 51% fecharam o último mês no vermelho ou no “zero a zero”.

‘Quebrei todos os cartões de créditos. Agora só a vista’

A atitude foi tomada por Marcelo Souza, após constatar que estava ‘atolado’ em dívidas. Ele passou 11 anos em débito com bancos

Após passar 11 anos preso por uma dívida com o banco, que acumulou juros ao longo do tempo, Rui Oliveira, pintor, conseguiu fazer uma negociação, no ano passado, com a instituição financeira e “estancar” a dívida. Oliveira confessa que perdeu o controle das finanças, principalmente, extrapolando sempre nas compras de final de ano.

Conforme ele explica, sua situação foi igual a maioria dos brasileiros, gastar mais do que podia. O que com o tempo foi extrapolando e chegou a números exorbitantes. Entretanto, ele tem claro que apesar de ter negociado, ainda possui a dívida. “Entretanto, pelo menos por enquanto, está controlada”, avaliou.

A compra de uma motocicleta foi o motivo que levou Marcelo Souza, colorista, a ficar endividado nos últimos meses. Ele esclarece que atrasou duas parcelas do veículo porque aliado a compras do final do ano com presentes e material escolar, perdeu o controle dos gastos e extrapolou seu orçamento. Na opinião de Marcelo, os cartões de crédito são outros vilões do endividamento.

“As pessoas usam como se não fossem pagar um dia. Quebrei todos os meus cartões. Agora só compro a vista, e as vezes até ganho descontos. Volto para casa sem dinheiro, entretanto sem dívidas”, finalizou.