Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Novo empréstimo bancário para ajudar distribuidoras de energia totalizará R$ 6,6 bilhões

Recurso servirá para socorrer às companhias e cobrir o custo das empresas com a escassez de chuva no Centro-Sul do país neste ano, que gastaram mais com o uso das usinas termelétricas

A Apple afirmou que os projetos solares vão produzir energia suficiente para serem utilizadas por 265 mil lares chineses durante um ano

Brasil possui mais de 40 distribuidoras de energia que atuam nos 26 estados e Distrito Federal (Reprodução/Internet)

O novo empréstimo para as distribuidoras de energia totalizará R$ 6,6 bilhões. Desse total, R$ 3,6 bilhões virão de sete bancos, e os R$ 3 bilhões restantes virão do BNDES. O anúncio foi feito na tarde desta quinta-feira (7) pelo secretário executivo do Ministério da Fazenda, Paulo Rogério Caffarelli.

O empréstimo terá taxa de Certificado de Depósito Interbancário (CDI) (taxa de juros variável) mais 2,35% ao ano. Os juros são levemente mais altos que os do primeiro empréstimo, de R$ 11,2 bilhões, feito em abril, cuja taxa foi equivalente ao CDI mais 1,9% ao ano. A primeira parcela será liberada até o dia 15 para a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), que repassará o dinheiro às distribuidoras.

Além do BNDES, as instituições que emprestarão recursos na segunda operação serão Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Bradesco, Itaú, Santander, BTG-Pactual e Citibank. De acordo com Caffarelli, mais seis bancos podem fazer parte da operação – JP Morgan, Credit Suisse e Bank of America e três instituições que não tiveram o nome divulgado.

Segundo o secretário, a decisão depende dos escalões superiores de cada banco. Caso mais bancos entrem na operação, o valor total do novo empréstimo permanecerá em R$ 6,6 bilhões. Nesse caso, caberá ao consórcio de bancos públicos e privados (sem o BNDES) redefinirem a participação de cada instituição na operação de crédito.

Caffarelli não detalhou a participação de cada banco no novo empréstimo. Apenas informou a participação do BNDES (R$ 3 bilhões) e do Banco do Brasil e da Caixa Econômica (R$ 750 milhões cada). De acordo com ele, a participação dos demais bancos foi proporcional à fatia do primeiro empréstimo de R$ 11,2 bilhões.

Os empréstimos para as distribuidoras são necessários para cobrir o custo das empresas com a escassez de chuva no Centro-Sul do país neste ano. A queda do nível dos reservatórios fez as empresas pagarem mais pelo uso das usinas termelétricas e pela compra de energia no mercado de curto prazo, cujo custo disparou com a falta de chuvas.

No fim de março, o governo anunciou o socorro ao setor elétrico, que envolveu a ampliação de R$ 9 bilhões para R$ 13 bilhões do orçamento para a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), fundo que subsidia as tarifas de energia, operação que envolveu recursos fiscais. Além disso, um consórcio de bancos públicos e privados emprestou R$ 11,2 bilhões para a CCEE em abril.

Inicialmente previsto para assegurar fluxo de caixa para as distribuidoras até o fim do ano, o empréstimo foi insuficiente. Em junho, a CCEE havia repassado todo o valor da primeira operação de crédito para as empresas, o que levou à necessidade de um segundo empréstimo.

Assim como no empréstimo de R$ 11,2 bilhões, o novo empréstimo só começará a ser pago pelas distribuidoras em novembro de 2015. O pagamento durará dois anos, até novembro de 2017.