Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Aposentado por alguns, revólver calibre 38 torna-se mito para policiais experientes

Arma mítica perdeu espaço para a pistola PT40, mas mantém uma aura de qualidade muito apreciada por policiais civis e militares

Revólver calibre 38

Revólver calibre 38 (Antonio Menezes)

Há mais de meio século servindo à segurança pública, o revólver calibre 38, o “três-oitão”, caiu em desuso pelos policiais civis e militares, que preferem a modernidade da pistola PT40 pelo poder de fogo e capacidade de causar maior impacto.

Porém, há policiais que resistem e preferem ter na cintura o velho 38. “É uma arma discreta, fácil de manusear e pode alcançar o mesmo resultado da pistola”, diz o delegado aposentado Aquiles Andrade.

Armeiro e professor de tiros da Polícia Civil, Écio Oliveira de Souza, o “Scuby”, diz que o 38 começou ser usado oficialmente como arma das policiais em 1953 e em 2001 passou a ser substituído pela pistola PT40, hoje arma de uso restrito das policias Civil, Militar e Rodoviária Federal.

Baseado nos homicídios que acontecem hoje em Manaus, a pistola também caiu no gosto da bandidagem. A maioria deles são cometidos com pistolas ao invés do “três-oitão”, principalmente aqueles homicídios com característica de execução.

Segundo Scuby, a última compra dessa arma pela Polícia Civil aconteceu em 2006. Atualmente, existem aproximadamente 300 revólveres 38 no arsenal de armas da instituição, todas em condições de uso, mas que dificilmente são utilizadas.

Na Polícia Militar o 38 passa pela mesma situação, com PT40 sendo considerada mais eficiente e moderna. Subdiretor do Centro de Suprimento da PM, o capitão Carlos Mário atribui a falência do “ três-oitão” como arma policial à modernização da pistola que oferece melhorares condições de combate e confronto ao policial.

“Hoje os criminosos estão usando armas cada vez mais modernas e a polícia não pode ir para o combate em condições inferiores, embora o uso da arma seja o nosso último recurso”, disse o capitão. No arsenal da PM ainda há uma média de 2 mil revólveres em condições de uso. A maioria está sendo usada por policiais militares que trabalham no interior.

Na capital, os revólveres ainda são usados quando há operação e os policiais administrativos são chamados para participar ou, como por opção do próprio policial que faz trabalhos internos ou depois de aposentados e que continuam exercendo alguma atividade policial.

O soldado Jairo tem um revólver calibre 38 pessoal e costuma usar, principalmente, quando está à paisana, segundo ele por ser discreto. O comandante geral da Polícia Militar, Almir David, disse que apesar da modernidade da PT40, ele não abre mão do revólver 38. “O revólver nunca, dificilmente, deixa alguém na mão. Nunca nega fogo”, garante o comandante.

Polícias preferem pistolas

O investigador e professor da Academia da Polícia Civil (Acadepol) José Alberto do Vale, o “Betão”, diz que a pistola caiu no gosto das polícias brasileiras devido a quantidade de munição que sua recarga comporta, seu mecanismo de operação semi-automático e o efeito de seus impactos (notadamente a de calibre 40). Esses são motivos suficientes para justificar as contínuas aquisições desse armamento pelas corporações policiais.

Para ele, apesar do sucesso das pistolas, os revólveres estão longe de ficar para trás. “O consenso é que o “trêsoitão” tem qualidades que ainda não foram superadas pelas pistolas”, diz Betão.

O professor diz que o revólver é a única arma de fogo que possui várias câmeras (variando entre cinco e oito tiros) para um único cano. “Estamos falando duma peça chamada ‘tambor’, popularizada simbolicamente nos filmes de faroeste, onde os mocinhos e bandidos giravam os de seus revólveres como roletas, antes de fechá-los”, destaca Betão.

Com manuseio mais simples e popular que as pistolas, os revólveres têm a fama de nunca falhar e de ter um alto poder incapacitante dos alvos. Essas funcionalidades foram proporcionadas pelo norte-americano Samuel Colt, o inventor do revólver.

Betão, que também é um dos atiradores da Polícia Civil, diz que na Acadepol não se faz mais treino de tiros usando os 38, porém, ele ainda dá aulas de tiros usando o velho revólver.