Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Profissionais do Sebrae-AM lançam Associação dos empresários de moda do AM

Entidade com o nome “Cabedal de criadores”, que partiu de um curso do Sebrae-AM, começará com dezoito empresas de vestuários e acessórios de moda

Da esquerda para a direta: Rita Prossi, Emone Piccini e Leonardo Piccini, integrantes da “Cabedal de criadores”

Da esquerda para a direta: Rita Prossi, Emone Piccini e Leonardo Piccini, integrantes da “Cabedal de criadores” (Lucas Silva)

A partir de um curso do Sebrae, realizado em 2012, onde foi detectado que o (incipiente) polo de moda do Estado tinha a necessidade de um instrumento para resolver os problemas do empresários, surgiu a idéia da criação de uma Associação dos empresários de moda do Amazonas, que ganhou forma e será lançado nesta quinta-feira (30), no auditório do Sebrae/AM com o nome “Cabedal de criadores”, começando com dezoito empresas de vestuários e acessórios de moda.

De acordo com Clarice Maquiné, consultora do Sebrae, a proposta do curso era criar produtos direcionados à Copa, mas que também pudessem ser usados depois. Ela lembra que com a contratação de consultores de outros Estados foi detectado que seria necessária a criação de uma associação para unir as empresas, além de fazê-las crescer para ganhar mercado. “Com o Cabedal queremos deixar um legado à moda amazônica. Desejamos também que os empresários caminhem com suas próprias pernas”, avalia.

Apesar de considerar que o Amazonas possui um polo de moda, a designer Rita Prossi, vice-presidente da entidade, analisa que este ainda não foi fortalecido, sendo necessário pessoas chaves para avançar e consolidar esse mercado. Segundo a designer, existem no Amazonas, em média, 200 empresas de moda, envolvidas com acessórios, jóias e roupas.

Todavia, um número exato ainda não foi possivel mensurar, pois existem muitos na informalidade, segundo ela.

Incipiente

Por outro lado, Emone Piccini, presidente da associação, afirma que o Estado tem produção de qualidade no setor de fardamento, entretanto na moda de consumo popular é incipiente. Na opinião dela, o lado criativo é desenvolvido com empresas com potencial, mas faltava algo como a associação para dar força ao setor.

“Após o lançamento, formaremos um grupo com uns trinta empresários e realizaremos cursos com consultores e também com o Sebrae para ganharmos experiência. Nossa idéia para o futuro próximo é gerar produtos amazônicos, mas com apelo global”, explicou, completando que em 2015 deve acontecer a semana de moda do Amazonas, que terá o lançamento em junho deste ano.

O modelo de negócios que será usado na implementação da associação será será o de Macapá, no Amapá, que tem similaridades com o que está sendo feito no Amazonas, e hoje movimenta milhões de reais por ano, conforme informou Leonardo Piccini, consultor de empresas que trabalha para a entidade.