Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Matéria sobre escola política fundada por Gilberto Mestrinho repercute na internet

Notícia de A CRÍTICA sobre a hegemonia política do grupo criado pelo ex-governador Gilberto Mestrinho é comentada por internautas

Escola política fundada pelo ex-governador Gilberto Mestrinho emplaca, com José Melo, o sexto governador consecutivo

Infográfico mostra o ex-governador Gilberto Mestrinho e os cinco governadores que o sucederam desde a eleição de 1982 (Arte Jornal A Crítica)

A matéria do Tema do Dia de domingo de A CRÍTICA “31 anos no poder: Hegemonia política e legado de Mestrinho” gerou uma série de comentários na Internet e nas redes sociais sobre a ascensão, na última sexta-feira, do sexto herdeiro do grupo político idealizado pelo ex-governador Gilberto Mestrinho a assumir o Executivo Estadual: o governador José Melo.

Só na fan-page de A Crítica no Facebook, o link da matéria recebeu 93 comentários, 279 pessoas curtiram a publicação e outras 175 compartilharam o conteúdo disponibilizado no Portal A Crítica com opiniões próprias sobre o assunto.

Um deles foi o deputado estadual e pré-candidato ao Governo, Marcelo Ramos (PSB), que se apresenta neste pleito como uma alternativa aos candidatos do grupo político que herdou o poder de Mestrinho.

“Nesses 31 anos, eles e alguns poucos enriqueceram muito, mas os índices sociais são desastrosos. O 4º estado brasileiro com maior número de miseráveis, 648 mil pessoas vivem em extrema pobreza (Censo 2010). O 4º com maior mortalidade na infância (Censo 2010). O segundo pior ensino do país em matemática (Pisa 2014). Mais de 30 homicídios por 100 mil habitantes (Mapa Violência 2012). Essa é a herança de Gilberto, Amazonino, Eduardo Braga, Omar e Melo”, publicou o deputado no seu perfil no Facebook e acrescentou o seguinte questionamento: “Esse grupo merece continuar ou já chegou a hora da mudança?”.

Um perfil do Facebook identificado como Fabrício Freire compartilhou a matéria com o seguinte comentário: “Divulguem para que todos saibam. Se os outros políticos não prestam, candidatem-se”.

O perfil de Delma Cavalcante afirma em cima do seu compartilhamento: “Oligarquia amazonense no poder há décadas... Oh, céus! Oh, vida ... Mas, só Deus é eterno!”.

O professor do Departamento de Ciências Sociais da Ufam, Marcelo Seráfico, defendeu em seu Facebook, que pesquisas acadêmicas poderiam explicar de maneira efetiva a manutenção do mesmo grupo por mais de 30 anos no poder. Disse que o tema é um desafio para os cientistas sociais e historiadores. “É preciso saber exatamente quem banca, quem ganha, o que ganha e como. Análises desse tipo podem ajudar a entender muita coisa, desde as prioridades do orçamento público até a emergência de novas fortunas”. Só a postagem do professor se referindo à matéria gerou mais de 30 comentários. Mais de cem pessoas curtiram a publicação dele sobre o tema.

Voz da web

“O povo tem o governo que merece, pao e circo, bolsa familia e arena, agora o cidadão que paga seus impostos nao tem um atendimento adequado quando vai ao 28 de agosto, profissionais mal preparados”, opina Lidianne Correa da Cruz.

“Também concordo, devemos cortar esse ciclo pois há 31 anos a população não vê melhorias em diversas áreas, o povo do interior está abandonado são lembrados somente em época de eleição!!!!”, opina Sandra Batalha Uetake.

“É só observar os últimos dias do governo Omar, só populismo e esmolas ao povo amazonense, vai fazer novamente o novo governador do Estado e assim caminha o revezamento de poder!”, opina Fabiano Rezende.

“Já viram as placas nesta cidade, de escolas, hospitais, postos de saúde, pontes, e outros? uma baita escola essa.qdo. for num lugar desses leia as placas que lá existem”, opina Claudio Melo.