Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Novo diretor assume Hospital Universitário Getúlio Vargas em meio à crise financeira

Após decisão da reitora da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Márcia Perales, o vice-diretor Rubem Júnior assumiu o papel que era de Lourivado Rodrigues e incomodou movimentos sindicais da instituição

O Hospital Universitário Getúlio Vargas, que passa por reforma, teve o novo diretor nomeado ontem pela reitora da Ufam

O Hospital Universitário Getúlio Vargas, que passa por reforma, teve o novo diretor nomeado ontem pela reitora da Ufam (Bruno Kelly )

O diretor do Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV), Lourivaldo Rodrigues, foi destituído do cargo na última sexta-feira após decisão da reitora da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Márcia Perales. A função foi assumida ontem pelo vice-diretor Rubem Júnior e incomodou movimentos sindicais da instituição. O motivo da mudança seria o fato de que Rodrigues, no ano passado, teria revelado a ausência de recursos financeiros repassados ao hospital por parte da Ufam.

De acordo com ele, a própria reitora o comunicou sobre a nomeação do vice Rubem Júnior, na sexta. Durante a conversa, Perales teria explicado que estaria incomodada com o fato do mesmo ter divulgado a falta de recursos repassados ao Hospital para o quitamento de dívidas e compra de medicamentos. “Ela disse que ficou chateada porque eu declarei umas verdades. Na época, precisamos paralisar 15 dias e vários procedimentos foram cancelados”.

Em entrevista ao A CRÍTICA, Rodrigues informou que, em abril do ano passado, teria oficializado o pedido de recursos financeiros e informado sobre a situação alarmante do HUGV, contudo nenhuma providência foi tomada pela Ufam. O ex-diretor informou que acatou a decisão da reitora, porém, acredita que a medida compromete o espírito democrático no qual foi escolhido. “Ela esquece que eu fui eleito pela comunidade e o contrato iria até julho de 2015. O que aconteceu foi uma quebra de uma ordem da democracia, mas isso não foi levado em conta”, criticou.

Reuniões

Movimentos sindicais como o Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Superior do Estado do Amazonas (Sintesam) e a Associação dos Docentes da Ufam (Adua) devem convocar uma assembleia para hoje na diretoria do HUGV, localizada na avenida Ayrão, Praça 14, Zona Sul. As pautas da reunião ainda são desconhecidas pelo ex-diretor.

Segundo a assessoria da Ufam, a reitora esclareceu que a escolha de Rubem Júnior como superintendente decorreu da necessidade de implementação da nova estrutura administrativa na unidade, em consonância com o contrato 01/2013, celebrado entre a Fundação Universidade do Amazonas (FUA) e a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), que determina a constituição de um Colegiado Executivo composto por um superintendente, gerentes, auditores, ouvidor e chefias.

As mudanças, segundo a instituição, estão respaldadas no contrato, na Resolução 026/2013 da EBSERH e no Segundo Relatório do Projeto de Capacitação e Planos Diretores dos Hospitais Universitários Federais.

Obras da 1ª etapa 40% concluídas

As obras do primeiro prédio do novo Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV) estão 40% concluídas. A previsão é que no início de 2015 a primeira torre seja entregue para uso, informou o fiscal das obras, o engenheiro Milton Oliveira Junior. A construção do primeiro prédio iniciou no dia 17 de dezembro de 2012.

A estrutura do prédio com 12 andares foi concluída em dezembro do ano passado. Segundo Oliveira, o ritmo das obras está de acordo com o cronograma estabelecido. “Ao longo deste ano serão executados e concluídos os trabalhos de acabamento, elétrica, hidráulica e de segurança contra incêndio do prédio. Em dezembro ele deve ficar totalmente pronto”, informou Milton Oliveira.

O primeiro prédio abrigará a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), enfermaria, clínica médica, leito cirúrgicos e de internação. Depois de entregue, a obra da segunda será iniciada, que deverá ser concluída em um ano.

*Colaborou Carolina Silva