Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Polícia diz que ‘João Branco’ está a um passo de se entregar

Segundo informações conseguidas pela polícia, o traficante planeja se apresentar, para assim voltar à penitenciária e comandar o tráfico de drogas

Branco é temido pelos adversários por ter uma característica sanguinária

Polícia diz que com a fuga do traficante João Branco os negócios de venda de drogas caíram e ele amarga prejuízos (Winnetou Almeida)

O traficante de drogas João Pinto Carioca o “João Branco”, fugitivo da justiça há um mês, está querendo se entregar à Justiça, mas teme ser morto, segundo informações conseguidas pela polícia. Ele está com a prisão preventiva decretada por ser considerado o principal suspeito do homicídio do delegado da Polícia Civil Oscar Cardoso Filho, 61, ocorrido há um mês na esquina das ruas Negreiros Ferreira e Carvalho Paes de Andrade, no bairro São Francisco, Zona Sul.

A informação é que o traficante planeja se apresentar na Vara de Execuções Penais (VEP), localizada no 2º andar do fórum Henoch Reis, bairro São Francisco e depois seja conduzido para o Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), no KM 8 da BR-174, onde o mesmo cumpria pena no regime semiaberto.

Segundo informação da polícia, o traficante pretende retornar ao presídio para continuar administrando seus “negócios” de venda de drogas como sempre fez, de dentro da cadeia. João Branco está preocupado porque com a sua ausência as vendas caíram e seus concorrentes estão tentando ocupar as áreas onde ele domina o tráfico de droga.

O traficante, segundo a polícia, é um dos integrantes da cúpula da facção criminosa denominada Família do Norte (FDN), que comanda o tráfico no bairro Mauazinho, Zona Leste. No dia do crime do delegado ele saiu do semiaberto por volta das 7h40 e só retornou no dia seguinte na mesma hora.

Nove dias depois da morte do delegado, policiais civis foram ao local para dar cumprimento ao mandado de prisão e não o encontraram mais no presídio. Durante as investigações para elucidar o crime de Oscar Cardoso, a polícia obteve informações de que o traficante havia deixado a cadeia depois de ter sido avisado por autoridades de segurança que seria preso.

O coordenador do Centro de Combate ao crime Organizado (Caocrimo) do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE), Fábio Monteiro, disse que João Branco é um bandido perigoso e que historicamente tem uma conduta voltada para o tráfico de drogas. É um bandido que não deveria estar preso cumprindo pena nos presídios daqui, já que o Estado não implementou da forma como deveria o Regime Disciplinar Diferenciado (RDD).

Morto no dia da inauguração da Arena

O delegado da Polícia Civil do Amazonas Oscar Cardoso, foi assassinado com mais de 20 tiros no final da tarde do dia 9 do mês passado, por volta das 16h, no momento que acontecia a inauguração da Arena da Amazônia, quanto toda atenção das autoridades de segurança estava voltada para o evento. O crime aconteceu em via pública na presença de várias testemunhas.

Oscar era ex-titular da Força Tarefa da Secretaria de Segurança Pública (SSP) e estava afastado das funções desde outubro de 2013, quando foi preso e indiciado durante a operação “Tribunal de Rua”. Testemunhas contaram que o delegado estava conversando com vizinhos e amigos em uma barraca de venda de peixe assado quando chegou um veículo Siena, de cor branca e placas OAH-7732, parou na via, de onde saíram quatro homens, que efetuaram 31 disparos.

O delegado estava sentado em uma cadeira com o neto no colo, uma criança de 1 ano e seis meses. Conforme moradores, Oscar implorou para que os assassinos não matassem o garotinho. “Eles vieram de ‘cara limpa’. Quatro saíram do carro, pegaram e tiraram o menino da frente, pediram para o pessoal que estava ao lado se afastar e meteram bala”, disse o morador Luiz Carlos, 49.