Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Presidente nacional do PT afirma que PMDB do senador Eduardo Braga é prioridade

Rui Falcão declarou, nesta sexta-feira (07), em visita a lideranças políticas locais, que no AM pode ter palanque duplo em base aliada nas eleições de 2014

Presidente nacional do PT, Rui Falcão (ao centro), Waldemir Santana (à esquerda) e o presidente estadual da sigla, João Pedro

Presidente Nacional do PT, Rui Falcão, concedeu entrevista coletiva à imprensa no aeroporto internacional Eduardo Gomes (EVANDRO SEIXAS)

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, declarou, nesta sexta-feira (07), ao chegar em Manaus para rodadas de reuniões com lideranças políticas, que o PMDB do senador Eduardo Braga é a aliança prioritária da sigla no Amazonas e que não vê problemas em palanques duplos na base aliada, contanto que todos peçam voto para a presidente Dilma Rousseff (PT).

A visita ocorre três meses após Rui Falcão declarar que o apoio ao PMDB era certo no Estado e corrente liderada pelo presidente estadual do PT, Valdemir Santana, sinalizar que o pré-candidato ao Governo e vice-governador José Melo (Pros) também precisava ser ouvido.

“Continuo achando que a melhor aliança aqui é com o PMDB, mas quem vai decidir é o diretório estadual e o encontro de delegados em março (...) Minha concepção de palanque é diferente. O palanque é da presidenta (Dilmar Roussef). Então, ela vindo ao Estado aqueles que a apoiam devem estar no palanque dela”, declarou Rui Falcão indicando que o apoio a presidente independe da quantidade de candidatos ao Governo.

Rui Falcão veio de Belém, onde também reuniu com lideranças, e chegou em Manaus por volta de 16h. Do Terminal 2 do Aeroporto Eduardo Gomes, Falcão passou por três endereços diferentes para “ouvir” lideranças locais: na sede do PMDB, encontrou com o senador e pré-candidato ao Governo Eduardo Braga, no Parque Dez. Teve um encontro com o ex-prefeito e ex-governador Amazonino Mendes (PDT) na casa dele, no Tarumã. Por fim, reuniu com o governador Omar Aziz (PSD) e o vice-governador, José Melo, na casa do governador na Efigêncio Sales.

Sobre o encontro e a manifestação do ex-presidente Lula à pré-candidatura de Eduardo Braga, Falcão declarou: “Ele (Braga) é um nome que merece a nossa simpatia, fez aqui um bom Governo. Está ajudando muito o Governo do PT no Senado. E é natural que o ex-presidente Lula manifeste essa simpatia. Mas as decisões, as articulações sobre o apoio é feito pelo diretório local”, declarou.

Rui Falcão minimizou a possibilidade do PT-AM lançar candidatura própria em 2014 e defendeu alianças. “Tem setores minoritários nossos que defendem isso. Nosso encontro de março vai definir. Minha opinião é que nos devemos fazer alianças aqui no Estado”, disse.

Rebecca fica fora da agenda do PT

No Amazonas, os partidos que compõem a base aliada da presidente Dilma Rousseff tem ainda outra pré-candidatura posta no Estado: a da deputada federal Rebecca Garcia (PP), que não constava na lista de lideranças que seriam ouvidas no Amazonas. Rebecca saiu do Governo Omar Aziz e tentou aproximação do prefeito Artur Neto (PSDB), sendo cogitada para o palanque estadual do presidenciável Aécio Neves (PSDB).

Rui Falcão declarou, no entanto, que nacionalmente o PT mantém conversas com PP para evitar que dissidentes na sigla venham a formar palanques regionais para adversários de Dilma Rousseff: “Estamos dialogando com o PP, que participa do nosso Governo e tem um ministério importante, para que essas eventuais dissensões não se manifestem nos Estados. Estamos conversando com a direção nacional para que haja um alinhamento em torno da candidatura da presidente Dilma”, declarou.

Disse ainda que o natural é que, na hora em que as alianças forem discutidas, sejam negociadas espaços em chapas como a vaga do vice-governador, ao Senado e até 2016. “Só vamos aproveitar nossos pleitos na hora das alianças. Aí, a gente pleteia uma aliança no Senado ou a vice para compromissos futuros, participação nos governos”, afirmou.