Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Susam prioriza prevenção às DST’s e fiscalização dos alimentos vendidos durante a Copa

A estimativa do secretário estadual de Saúde, Wilson Alecrim, é que pelo menos 120 mil pessoas visitem o Amazonas durante os jogos do mundial

 Secretário Wilson Alecrim diz que meta para o ano que vem, é realizar transplantes de fígado no Hospital Adriano Jorge e de coração, no Hospital Francisca Mendes

De acordo com o secretário Wilson Alecrim, dois ambulatórios voltados aos viajantes serão inaugurados em março (Bruno Kelly)

Faltando pouco mais de cinco meses para o início da Copa do Mundo, o atendimento disponibilizado ao turista na área de Saúde, em Manaus, tem sido uma das preocupações dos governantes. A estimativa do secretário estadual de Saúde, Wilson Alecrim, é que pelo menos 120 mil pessoas visitem o Amazonas durante os jogos do mundial.

Segundo ele, o sistema de saúde do Estado precisa estar preparado para o aumento na demanda, especialmente no que diz respeito à prevenção, controle e tratamento das doenças sexualmente transmissíveis, a maior preocupação de Alecrim durante a Copa do Mundo.

De acordo com o secretário, em 2013 houve um aumento de 16,5% no número de pessoas identificadas como portadoras do vírus HIV, no Amazonas. Os dados da Fundação de Medicina Tropical Doutor Heitor Vieira Dourado (FMT/HVD) mostraram que, de janeiro a outubro do ano passado, 914 novos casos foram registrados, contra 784 registrados em 2012.

De acordo com o secretário Wilson Alecrim, para cada homem ou mulher - sem parceiro fixo -, que tem o vírus HIV e não sabe, outras 50 pessoas também podem estar infectadas e, sem saber disso, agem como multiplicadores da doença.

Reintrodução

Além da preocupação com o aumento no número de casos de HIV no Amazonas, a Susam tem outro desafio para a Copa do Mundo: evitar a reintrodução de doenças que já foram erradicadas no Estado, mas ainda estão presentes em países da Europa e Ásia, de onde devem vir parte dos visitantes. É o caso do sarampo, que há 11 anos não é registrado no Amazonas.
De acordo com Wilson Alecrim, embora a doença esteja erradicada, as crianças a partir dos sete meses de vida ainda são vacinadas, e isso deve acontecer com os turistas que visitarem a cidade, também.

Desde julho do ano passado, a Susam está vacinando as pessoas que terão contato direto com o turista contra o sarampo, febre amarela e outras doenças. “Nós estamos nos preparando para atender tanto o turista quanto preservar a saúde da nossa população”, disse o secretário.

Ambulatórios

Outra medida adotada para suprir a demanda por atendimento médico durante a Copa é a implantação dos Ambulatórios dos Viajantes, que devem funcionar a partir de março, na Fundação de Medicina Tropical (FMT).
Eles servirão como ponto de informações tanto para o turista que chega na cidade quanto aos amazonenses que decidirem viajar. “Os turistas terão disponíveis médicos e enfermeiros para orientar e disponibilizar exames”, disse Alecrim.
O secretário informou ainda que a Susam tem trabalhado em conjunto com as operadoras de turismo para orientar os visitantes.

Atendimento de urgência é avaliado

Motivo de reclamação diária da população que vive em Manaus, o atendimento nas unidades de saúde de urgência emergência também está passando por testes para atender os turistas durante os jogos da Copa do Mundo de futebol da Fifa.
Segundo o titular da Secretaria Estadual de Saúde (Susam), Wilson Alecrim, no final do ano passado foi realizado mais um teste que faz parte do plano de contingência para grandes eventos.

De acordo com o secretário, essa preparação vem acontecendo desde que a cidade foi escolhida como uma das sedes do mundial. “Nesse último teste nós percebemos que o atendimento funcionou muito bem”, analisou Wilson Alecrim.
Sobre a capacitação dos profissionais que irão atender os mais de 100 mil turistas esperados, Wilson Alecrim informou que a Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur) capacitou mais de três mil jovens em outros idiomas, que ajudarão os visitantes, prestando informações.