Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Ufam completa 105 anos nesta sexta-feira (17) com projetos no interior do AM

Desafios da expansão da instituição são ainda maiores pelas peculiaridades regionais de logística e de extensão territorial 

Instituição tem 18 unidades de ensino; 6,7 milhões m², o 3º maior fragmento verde em área urbana; e projeto arquitetônico do arquiteto Severiano Porto

Instituição tem 18 unidades de ensino; 6,7 milhões m², o 3º maior fragmento verde em área urbana; e projeto arquitetônico do arquiteto Severiano Porto (Evandro Seixas )

As comemorações dos 105 anos da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), que acontecem nesta sexta-feira (17), representam momentos de reflexão e de reafirmação dos compromissos da instituição de ensino superior. A afirmativa é da reitora da universidade, professora Márcia Perales, ao lembrar que as conquistas foram resultado do esforço de muitos que trabalharam e trabalham pela instituição. 

Ela destaca o projeto pioneiro desenvolvido no município de São Gabriel da Cachoeira (a 858 quilômetros de Manaus), cuja maioria da população é indígena, e o desafio que é a implantação do curso de Medicina em outro município, Coari (a 370 quilômetros), como desafios deste aniversário. 

“Projetos pioneiros importantes como o da interiorização foram implantados com êxito”, disse Márcia, citando a Unidade Acadêmica de São Gabriel da Cachoeira, na região do Alto Rio Negro, onde a universidade está há 20 anos, mas atua com mais regularidade nos últimos 10. Segundo ela, agora é a oportunidade de responder a uma demanda reprimida existente no município envolvendo as 700 comunidades de várias etnias do entorno do município. Com a implantação do curso de licenciatura intercultural, denominado Políticas Educacionais e Desenvolvimento Sustentável, houve a possibilidade de construí-lo diferente dos padrões da instituição, sem a perda da qualidade e do conteúdo acadêmico.

Cerimônia

Na colação de grau de três etnias, tukano, baniwa e nheengatu, numa grande maloca da Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (Foinr) em São Gabriel, realizada em parte na língua deles, a reitora descreve a emoção com a revisão do ritual acadêmico de colação de grau por serem alunos de características diferentes. “Esse curso tem uma construção muito diferente e tivemos dificuldade junto ao MEC para implementá-lo porque foge ao padrão”. O próximo desafio é atender a uma demanda de 1,2 mil inscritos para 120 vagas oferecidas. Há previsão de que, no máximo, serão 180. 

Outro desafio da atual administração é a implantação do curso de Medicina em Coari, o que segundo Márcia Perales, potencializa as dificuldades já encontradas na capital, pela necessidade de contratação de professores titulados. No entanto, isso será enfrentado por meio do Instituto de Saúde Biotecnologia, que aglutinou cursos da área de saúde para facilitar a oferta nos municípios. A ideia é que o curso em Coari seja implantado ano que vem, com 36 vagas. Para isso, a Ufam depende de tratamento diferenciado dos órgãos financiadores, diante das diferenças e singularidades regionais. “Nossa autonomia financeira é muito limitada para as grandes necessidades que temos”, assegura.

Falta de profissionais para o quadro docente


Com 115 cursos regulares e 177 no total sendo oferecidos em áreas como gás e petróleo, arquitetura e engenharia, há dificuldades para captar professores no mercado. Nesses últimos, prioridade número um do País, o déficit é enorme, já que são 15 engenharias implantadas. Para suprir esse déficit, Márcia Perales diz que a Ufam realiza parceria com universidade de outros estados, após tentativas de abertura de concursos públicos. 

Nesse período, a instituição contabiliza a renovação de quase 2/3 do seu pessoal por aposentadoria, inclusive a compulsória, o que exige um trabalho de capacitação de recursos humanos mais intenso. Nesse sentido, ela cita o Plano Institucional de Capacitação (PIC), que oferece aos novos servidores sem titulação cursos de mestrado e doutorado institucionais, criados pela Ufam e dirigidos ao pessoal do interior do Estado. 

Márcia destaca ainda a parceria da Ufam com a área produtiva do setor privado, sem abrir mão, segundo afirma, dos princípios da instituição de ensino e aponta o trabalho inédito que vem sendo desenvolvido pela Pró-Reitoria de Inovação Tecnológica, destinada a criar condições para apoiar os pesquisadores.