Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Vendas relativas ao Dia das Mães frustram comerciantes de Manaus

Segundo o presidente da CDL-Manaus, Ralph Assayag, fortes chuvas durantes a semana e dificuldades no trânsito contribuíram para o resultado abaixo do esperado

Movimento no comércio do Centro da cidade ontem já deu a medido do os lojistas esperam que aconteça a partir de quinta-feira: corrida aos presentes

Consumidores foram às lojas, mas a compra de presentes para o Dia das Mães ficou abaixo do esperado (Antonio Menezes)

O comércio não obteve o que esperava com as vendas relativas ao Dia das Mães. Os lojistas projetavam faturamento 5,4% superior ao realizado no ano passado, porém obtiveram 3,8%. Além disso, o índice de inadimplência encerrou abril com 3,3% e mais 3 mil consumidores numa lista que, nos últimos cinco anos, acumula 354 mil nomes, segundo dados da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Manaus (CDL–Manaus).

O presidente da entidade, Ralph Assayag, não quis fazer projeções para o Dia dos Namorados. Ele apontou as fortes chuvas no fim de semana que antecedeu o Dia das Mães e as dificuldades do trânsito como sendo dois dos principais fatores que contribuíram para o resultado abaixo do esperado pelos lojistas.

Entretanto, o principal “vilão” da data, segundo Assayag, foi a demora para a liberação do restante das mercadorias do setor, após o encerramento da greve dos servidores da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa).

Segundo Assayag, após a paralisação de mais de um mês– a greve iniciou no final de fevereiro e terminou no dia 7 de abril – em torno de 80% da carga do comércio estavam retidas e precisavam ser liberadas às pressas para que o atraso no desembaraço não viesse a afetar a segundo melhor data de venda para o comércio.

Ainda de acordo com o dirigente da CDL-Manaus, seriam necessários 20 dias para a realização do desembaraço e transporte do material para as lojas. “Mas tivemos apenas 12 dias, período que não foi o suficiente para atender às exigências do comércio, que, por conta disso, não pode se preparar bem para a data”, argumentou.

Inadimplência

O Indicador Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor apresentou crescimento de 2,4% em abril no País, na comparação com março deste ano.

Foi a sexta alta mensal ocorrida nos últimos sete meses, ou seja, desde outubro/13.

Na variação anual – abril de 2014 contra o mesmo mês de 2013 – o índice registrou queda de 2,2%.

No acumulado do primeiro quadrimestre de 2014, segundo a Serasa Experian, a inadimplência está 2,6% menor que o mesmo período do ano passado.