Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

‘Vivemos uma batalha diária’, diz infectologista sobre combate à meningite

O infectologista da Fundação de Vigilância em Saúde, Antônio Magela, ressalta que existe uma vacina disponível contra a doença, mas apenas para crianças menores de 5 anos. As infecções meningocócicas podem ser fatais em até 24 horas

Dr. Geraldo Magela ressalta que a única vacina disponível para jovens e adultos não está disponível , pois não é eficiente

Dr. Antônio Magela ressalta que a única vacina disponível para jovens e adultos não está disponível , pois não é eficiente (Antônio Lima )

A morte da estudante do Ensino Médio Talita Ferreira Gomes, 18, na última semana com suspeita de ter contraído meningite meningocócica chamou a atenção da sociedade e de órgãos de vigilância para a forma mais fulminante da doença. Ela pode matar em até 24 horas após os primeiros sintomas e causar sequelas graves para o resto da vida de quem resiste à doença.

Mesmo nos casos em que são identificadas e tratadas de forma correta, as infecções meningocócicas podem ser fatais em até 24 horas.

De acordo com o infectologista da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), Antônio Magela, não há prevenção ou vacina disponível na rede de saúde com garantia de eficiência contra meningite meningocócica e também para a meningococcemia (forma mais grave da doença e as manifestações iniciais são semelhantes às da meningite, excluindo-se a rigidez de nuca).

Ele explicou que a população está exposta às bactérias que podem causar vários tipos de meningites diariamente e em qualquer lugar, sendo que uma parcela significativa acaba ficando vulnerável por motivos ainda desconhecidos.

Imunidade baixa

A vulnerabilidade é intensificada quando a imunidade está baixa e a pessoa não consegue criar barreiras contra a bactéria. Ele explicou que existe apenas uma vacina disponível no mercado, mas é especifica para crianças menores de 5 anos de idade e para idosos que são acometidos pela meningite causada pela bactéria “Haemophilus influenzae”.

Toda criança que recebe o cartão de vacina pouco depois do nascimento recebe a vacina, mas não tem efeito contra a bactéria que acometeu a estudante Talita. Os órgãos de vigilância em saúde aguardam o laudo confirmação da morte da jovem pela doença, embora tenha sido comprovada clinicamente.

Crianças de 6 meses a um ano são as mais vulneráveis ao meningococo porque ainda não desenvolveram anticorpos para combatê-la. No entanto, Magela esclareceu que desde que a vacina contra a Haemophilus influenzae passou a ser obrigatória em crianças, no ano 2000, o índice de meningites reduziu drasticamente.

“A Haemophilus bacteriana acometia muito recém nascido, mas depois da vacina diminuiu. Ela acontece o ano todo, mas tem surto epidêmico. Até porque se tivesse não teria como esconder”, disse.

A única vacina que existe contra meningite para adolescentes e adultos não está disponível porque não tem eficácia garantida. Ela só pode ser disponibilizada, segundo Magela, em caso de epidemia, mas sem comprovação de bloqueio imunológico da bactéria. No Brasil, a última epidemia registrada foi em 1974, quando foi criada a Comissão Nacional de Controle da Meningite.