Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Mais da metade das operações bancárias no país são por internet, celular ou tablet

Febraban informa que os dispositivos móveis são os maiores responsáveis pelo aumento da relevância dos meios digitais nos últimos anos

A banda larga móvel aumentou de 22% em 2011 para 37% ao final de 2012, sendo que 88% da população estava coberta com a tecnologia 3G

Aplicativos de bancos para dispositivos móveis aumentam operações de internet banking (Arquivo/AC)

As operações bancárias por dispositivos móveis - mobile banking (celular e tablets) e pela internet já respondem por mais da metade das operações no Brasil, conforme levantamento da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) realizada com cinco instituições bancárias – Banco do Brasil, Bradesco, HSBC, Itaú Unibanco e Santander. No primeiro semestre de 2013, a participação média mensal dos canais internet e mobile foi 51%, ante 46% no primeiro semestre de 2012.

As operações bancárias por dispositivos móveis - mobile banking (celular e tablets) e pela internet já respondem por mais da metade das operações no Brasil, conforme levantamento da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) realizada com cinco instituições bancárias – Banco do Brasil, Bradesco, HSBC, Itaú Unibanco e Santander. No primeiro semestre de 2013, a participação média mensal dos canais internet e mobile foi 51%, ante 46% no primeiro semestre de 2012.

Segundo a Febraban, a maior responsável pelo aumento da relevância dos meios digitais nos últimos anos é a plataforma para dispositivos móveis (mobile), composta pelos aplicativos de bancos instalados em smartphones e tablets. Entre junho de 2012 e junho de 2013, a participação do canal mobile subiu de 3% para 6,2% do total de transações na amostra dos cinco bancos selecionados. A quantidade de transações no canal mobile nesse mesmo grupo passou de 244 milhões, no primeiro semestre de 2012, para 822 milhões, no mesmo período do ano seguinte – um aumento de 237%. Em um dos bancos pesquisados, a participação do mobile já chega a 10% das transações totais.   
 
A Febraban faz algumas orientações quanto a segurança no uso dos smartphones e internet para acesso a transações bancárias. Uma sugestão é, ao comprar um aparelho usado, restaurar as configurações originais do produto para que ele volte a funcionar com o padrão de segurança estabelecido pelo próprio fabricante. Também é importante evitar a compra de celulares que tenham sofrido jailbreak, ou seja, desbloqueados ilegalmente, pois essa prática pode impedir a atualização do sistema operacional e, assim, prejudicar segurança do usuário, diz a Febraban

A federação dos bancos alerta também para a importância dos programas de proteção contra software malicioso (malware). Dependendo do sistema operacional do aparelho, como Android ou iOS, há diversas opções de ferramentas de segurança, como Avast e Norton.

Há ainda vários aplicativos que armazenam dados de forma criptografada. Como os dispositivos móveis são mais suscetíveis a perda ou roubo, a Febraban também orienta que se façam cópias (backups) dos dados guardados no aparelho, como fotos e contatos. Para smartphones e tablets, a Febraban orienta os usuários a ativarem a opção de exclusão dos dados do aparelho, em caso de tentativas de acesso com senha incorreta; e, se possível, habilitarem a função de geolocalização para que o dispositivo seja encontrado e bloqueado à distância. 

Além desses cuidados, os clientes devem ficar atentos aos sites falsos, que costumam solicitar muitas informações confidenciais, justamente porque precisam delas para acessar as contas de clientes. A federação lembra que fraudadores costumam utilizar a “técnica da ansiedade”, que supõe a necessidade de o cliente atualizar os dados com rapidez, sempre impondo uma condição: se você não atualizar seus dados agora, sua conta será cancelada.

Para não cair em armadilhas, a Febraban orienta que os usuários conheçam bem o site de seu banco, tentando memorizar a aparência da página do cliente e a sequência da inserção de senhas solicitadas. A entidade também recomenda que os clientes acompanhem os lançamentos nas contas bancárias e, caso seja constatada alguma anormalidade, entrem em contato imediatamente com o banco para informar o ocorrido.

 composta pelos aplicativos de bancos instalados em smartphones e tablets. Entre junho de 2012 e junho de 2013, a participação do canal mobile subiu de 3% para 6,2% do total de transações na amostra dos cinco bancos selecionados. A quantidade de transações no canal mobile nesse mesmo grupo passou de 244 milhões, no primeiro semestre de 2012, para 822 milhões, no mesmo período do ano seguinte – um aumento de 237%. Em um dos bancos pesquisados, a participação do mobile já chega a 10% das transações totais.   
 
A Febraban faz algumas orientações quanto a segurança no uso dos smartphones e internet para acesso a transações bancárias. Uma sugestão é, ao comprar um aparelho usado, restaurar as configurações originais do produto para que ele volte a funcionar com o padrão de segurança estabelecido pelo próprio fabricante. Também é importante evitar a compra de celulares que tenham sofrido jailbreak, ou seja, desbloqueados ilegalmente, pois essa prática pode impedir a atualização do sistema operacional e, assim, prejudicar segurança do usuário, diz a Febraban

A federação dos bancos alerta também para a importância dos programas de proteção contra software malicioso (malware). Dependendo do sistema operacional do aparelho, como Android ou iOS, há diversas opções de ferramentas de segurança, como Avast e Norton.

Há ainda vários aplicativos que armazenam dados de forma criptografada. Como os dispositivos móveis são mais suscetíveis a perda ou roubo, a Febraban também orienta que se façam cópias (backups) dos dados guardados no aparelho, como fotos e contatos. Para smartphones e tablets, a Febraban orienta os usuários a ativarem a opção de exclusão dos dados do aparelho, em caso de tentativas de acesso com senha incorreta; e, se possível, habilitarem a função de geolocalização para que o dispositivo seja encontrado e bloqueado à distância. 

Além desses cuidados, os clientes devem ficar atentos aos sites falsos, que costumam solicitar muitas informações confidenciais, justamente porque precisam delas para acessar as contas de clientes. A federação lembra que fraudadores costumam utilizar a “técnica da ansiedade”, que supõe a necessidade de o cliente atualizar os dados com rapidez, sempre impondo uma condição: se você não atualizar seus dados agora, sua conta será cancelada.

Para não cair em armadilhas, a Febraban orienta que os usuários conheçam bem o site de seu banco, tentando memorizar a aparência da página do cliente e a sequência da inserção de senhas solicitadas. A entidade também recomenda que os clientes acompanhem os lançamentos nas contas bancárias e, caso seja constatada alguma anormalidade, entrem em contato imediatamente com o banco para informar o ocorrido.