Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Sem protestos nas ruas Dilma resolve entregar Taça Fifa

De acordo com o secretário-geral da entidade, Jérome Valcke, a presidente estará ao lado do mandatário na Fifa, Joseph Blatter, na cerimônia de entrega do taça ao campeão do Mundial

Presidente Dilma Rousseff resolve entregar a taça Fifa ao campeão da Copa do Mundo.

Presidente Dilma Rousseff resolve entregar a taça Fifa ao campeão da Copa do Mundo. (Reprodução/internet)

Passada a metade da Copa do Mundo, onde os temidos protestos quase não existiram, a presidente Dilma Rousseff resolve entregar a taça ao vencedor do Mundial, no dia 13 de junho no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro. A informação foi confirmada pelo secretário-geral da organizadora do torneio, Jérome Valcke na manhã desta sexta-feira (28).

Por meses se bedateu nos bastidores da Fifa e do governo brasileiro, como seria a cerimônia de entrega do troféu. Após a presidente ser muito vaiada na abertura do Mundial na Arena Corinthians, em São Paulo, criou-se um mal estar e a governante não voltou mais a nenhum estádio da Copa. Foi a primeira vez em anos que um chefe de estado não discursou no início do torneio.

Jérome Valcke ainda rebateu as informações de que a taça seria dada pelas mãos da modelo brasileira Gisele Bündchen ou do zagueiro da Espanha, Puyol – capitão da Fúria. "Ao contrário do que saiu em algumas mídias, Gisele Bündchen e Puyol não entregarão a taça. Eles carregarão a taça até o início do campo (do Maracanã, deixando-a em um púlpito), mas quem entregará será a presidente Dilma Rousseff, ao lado de Joseph Blatter", explicou o dirigente.

Questionado sobre o silêncio do presidente da Fifa na festa de abertura da Copa, Valcke desconversou e afirmou que o mesmo comportamento deve se repetir na Copa de 2018, na Rússia. “O torcedor não quer ver isso antes do jogo”, explicou o secretário.

Finalizando a entrevista, ele ainda confirmou que existe a orientação de não mostrar imagens dos camarotes nos telões das arenas, em contradição ao que aconteceu nos mundiais anteriores. “A política é mostrar futebol e torcedores, não o ambiente ou as pessoas nos camarotes”, completou Valcke.