Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Caprichoso faz das ruas palco de manifestação popular para resgate da história

O já tradicional Boi de Rua, celebrado há 13 anos, saiu do bairro Francesa e encerrou com um grande ensaio com itens no Curral Zeca Xibelão

Por onde passava, o Boi Caprichoso recebia o carinho dos torcedores, sócios e simpatizantes

Por onde passava, o Boi Caprichoso recebia o carinho dos torcedores, sócios e simpatizantes (Divulgação)

Avenidas do município amazonense de Parintins se transformaram em um verdadeiro mar azul e branco na noite deste sábado (24), durante o tradicional Boi de Rua do Caprichoso. Milhares de torcedores se entregaram à festa popular realizada desde 2001 para resgatar os primórdios do Touro Negro, quando dançava em terreiros, quintais dos brincantes ou “donos”, à luz de lamparinas e fogueiras. 

A brincadeira de boi teve início em um dos redutos tradicionais do Caprichoso, o “Esconde”, na rua Sá Peixoto, centro da cidade. Lá, um dos berços do bumbá, o Boi de Rua começou por volta das 20h, ao som da Marujada de Guerra. Em um trio elétrico, o levantador de toadas David Assayag e o amo do boi Júnior Paulain, acompanhados pelo Grupo Azul e Branco, embalavam a galera ao som de toadas antológicas e também do repertório deste ano.

Um boizão, confeccionado pelo Mestre Jair Mendes, conduziu a grande manifestação popular até o grande ensaio com itens no Curral Zeca Xibelão. No meio da multidão, a cunhã-poranga Maria Azedo, a porta-estandarte Raissa Tupinambá, a rainha do folclore Brenna Dianná e o pajé Waldir Santana evoluíam e eram reverenciados pela nação azul. As torcidas organizadas Raça Azul e FAB também fizeram a festa do começo ao fim do Boi de Rua.


Por onde passava, o Boi Caprichoso recebia o carinho dos torcedores, sócios e simpatizantes do azul. A torcedora Ane Barbosa de Souza foi uma das pessoas que se sentiu emocionada em abraçar e beijar o Touro Negro. “Sou de Manaus e estou em Parintins para essa grande festa. É a primeira vez que participo e pude comprovar que é muito mais do que imaginava. Muito emocionante”, declarou.

Responsável pelo resgate da brincadeira, em 2001, o ex-presidente Dodozinho Carvalho se juntou a galera para participar de mais um Boi de Rua. “Devolvemos a família azul e branca e a história de Parintins essa manifestação cultural. É muito prazeroso estar no meio galera e se entregar nessa grande festa”, disse ao lado do presidente Joilto Azêdo e do vice-presidente Rossy Amoedo.

Sócia e moradora da Sá Peixoto, a senhora Dinha Cruz, ornamentou a frente de sua casa e preparou uma fogueira para aguardar o Boi Caprichoso. “Isso é uma coisa linda de se ver. Um espetáculo único. Só agradeço aos presidentes Joilto Azêdo e Rossy Amoedo por resgatar o Boi de Rua para fazer a festa dos torcedores”, revelou Dona Dinha, ao ver o Caprichoso evoluir em frente a sua residência.


Homenagem 

Um dos momentos especiais foi a homenagem feita pela diretoria do Caprichoso pela passagem do aniversário do sócio Geraldo Medeiros. Ao lado da esposa, Norma Medeiros, dos filhos e netos, o ex-presidente teve a honra de comemorar 80 anos de vida com o boi amado em frente de casa. Natural de Solânia, no Estado da Paraíba, Geraldo Medeiros desembarcou em Parintins na enchente de 1953 e no início da década de 1980 administrou o Caprichoso durante dois anos.

O sócio ficou bastante emocionado ao receber reconhecimento da diretoria pela importância ao Caprichoso. Além do presente, o presidente Joilto Azêdo e o vice-presidente Rossy Amoêdo parabenizaram o aniversariante. “Recebi meus 11 filhos e 21 netos. Estive na igreja em uma ação religiosa. Essa homenagem da grande família azulada vai ficar na minha lembrança por muitos anos. Obrigado ao Caprichoso por tudo”, disse o ilustre Geraldo Medeiros.