Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Durante a Copa, Manaus ganha dois novos espaços de culinária

Os restaurantes Jiquitaia e Lo de Maria são opções para amazonenses e turistas que quiserem experimentar gastronomia amazônica e brasileira, e também fast-food saudável

Os dois restaurantes foram inaugurados recentemente na cidade

Os dois restaurantes foram inaugurados recentemente na cidade (Evandro Seixas)

Render-se aos prazeres da mesa e descobrir novos sabores estão entre as experiências obrigatórias no roteiro de todo turista. No que depender da rica gastronomia amazônica e brasileira, então, os visitantes que desembarcam diariamente para conferir a Copa do Mundo em Manaus têm tudo para sair daqui com boas impressões na bagagem.

Com points culinários que já desfrutam de projeção nacional e até internacional, a cidade não para de ganhar novidades nesse sentido. Uma delas é o restaurante Jiquitaia (rua Marçal, 44, Centro), dedicado à comida típica da região. De portas abertas há apenas uma semana, a casa funciona de terça a domingo, das 18h às 23h, e prevê abrir para almoço a partir da próxima terça.

O empreendimento é uma aposta da empresária Rosa Vital de Melo, criadora do famoso Tacacá da Gisela. Para comandar a cozinha do Jiquitaia, ela convidou o chef Ney Agostinho, amigo de longa data da família. “O restaurante é uma extensão do Tacacá. Inclusive, o nome é uma homenagem à culinária Baniwa, famosa por sua pimenta”, conta Dona Rosa.

Segundo ela, a procura por outros pratos regionais na tacacaria que fica no Largo era grande, e eles estavam sempre encaminhando clientes para outros pontos da cidade. Até que, com três meses e meio de esforços e planejamento, a família conseguiu abrir o Jiquitaia. “É um sonho antigo. Costumo sempre encarar o desconhecido”, destaca ela.


O cardápio traz uma combinação de pratos tradicionais, como o pirarucu de casaca, pato no tucupi e a puqueca de pirarucu, e outras propostas do chef, como o Bolinho Beiradão (piracuí com queijo coalho), o Paturi (pato desfiado refogado e envolto em crepe de jambu) e o camarão ao molho de queijo coalho.

No geral, as refeições (individuais) variam entre R$ 15 e R$ 46. Já na sessão de sobremesas, o sabor amazônico é que dá o tom: as opções são a Copada (creme de cumaru e geleia de acerola com maracujá), o Caprichado (mousse de tapioca com iogurte natural e melado de cana) e pudim de cupuaçu.

Comida saudável

A rede argentina Green Eat, especializada em comida rápida e saudável, serviu de inspiração para o amazonense Marcello Pacheco abrir o restaurante Lo de Maria (rua Acre, 108, Vieiralves, em frente à Fitness Clube), em parceria com a esposa.

Formado no Rio de Janeiro, onde morou durante 15 anos, ele fez especialização em confeitaria em Buenos Aires e resolveu voltar à terra natal há quatro meses com a proposta de comandar um espaço dedicado à alimentação saudável, mas, ao mesmo tempo, com cara de casa de vó.

“Manaus mudou bastante e o público já demanda esse tipo de serviço em gastronomia”, defende Pacheco. Aberto há uma semana, o Lo de Maria oferece diversos tipos de saladas já prontas para levar para casa, além de grelhados, sanduíches e pães, doces e bolos artesanais sem adição de produtos químicos – tudo na faixa de R$ 12 a R$ 32.

“A partir da próxima semana teremos o famoso Picadinho do Copacabana Palace, que estou testando e pretendo reproduzir aqui. É uma comida bem caseira, com a carne batida na faca, ovo frito, cumbuqinha de feijão preto, arroz, farofa e uma banana à milanesa”, adianta o cozinheiro. A casa funciona de segunda a sábado, das 10h às 20h.

Sorvete de tucupi-preto

O chef William Katô é o responsável pela combinação exótica de sorvete com tucupi-preto. O amazonense, que também está de volta a Manaus depois de morar durante anos em São Paulo, trabalhou com Alex Atala e diz que sempre gostou de vasculhar a gastronomia amazônica. “Numa das minhas andanças, conheci o tucupi-preto e comecei a testá-lo em doces, salgados e pratos quentes porque ele lembra um pouco o caramelo”.

Foi quando ele teve o insight de fazer da iguaria um ingrediente para o sorvete. “Ficou magnífico! Minha ideia é servir com petit gateau de cupuaçu”, adianta o chef, que já registrou a novidade e agora analisa propostas para viabilizar a produção do sorvete em larga escala. Enquanto isso, ele vai maturando a ideia de abrir por aqui um restaurante dedicado à comida brasileira contemporânea. Para seguir no Instagram: @chefwilliamkato.

Ambientação

O Jiquitaia possui três ambientes decorados cuidadosamente com motivos regionais e indígenas pela proprietária. Já o Lo de Maria exibe em suas paredes desenhos à mão livre feitos pelo estudante de arquitetura Talles S. Mattos, revelado em reportagem do BEM VIVER.