Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Após 24 anos, Fafá de Belém volta a Manaus e fala sobre expectativa de show e projetos

Cantora paraense irá se apresentar na capital no dia 10 deste mês em comemoração ao Dia das Mães. Em entrevista, Fafá também adiantou sobre planos de novo disco e autobiografia

Cantora revelou que durante a Copa estará em Portugal escrevendo autobiografia

Cantora revelou que durante a Copa estará em Portugal escrevendo autobiografia (Divulgação)

Logo no primeiro minuto de entrevista à reportagem, Fafá de Belém soltou uma de suas longas e características gargalhadas. De forma muito espontânea, como de costume, a cantora paraense abriu a conversa dizendo ser “uma alegria” poder voltar a Manaus depois de “tanto tempo”. “Não canto aí desde que gravei ‘Vermelho’”, brincou ela, dando a deixa para o riso. Fafá retorna à cidade no dia 10 deste mês para um show especial em comemoração ao Dia das Mães, no Clube Municipal. No repertório, seus grandes sucessos, com destaque para a sonoridade amazônica.

De fato, a cantora não fazia uma apresentação como essa em Manaus pelo menos desde meados dos anos 1990, quando gravou a música que Chico da Silva compôs para o Garantido e que fez sucesso até em terras lusitanas. As suas últimas passagens pela capital amazonense aconteceram em 2011, quando dividiu o palco do Teatro Amazonas com Eliana Printes, e em 2012, quando fez um show de fados para comemorar os 100 anos do Luso Sporting Clube.

“Será uma apresentação percussiva, com meus músicos de Belém. Vai ser uma olhada sobre a minha carreira, desde ‘Foi Assim’ até as músicas mais recentes, passando por Chico Buarque, ‘Vermelho’ e ‘Pássaro Sonhador’, que é uma toada do Caprichoso”, explicou.

Recentemente, Fafá estreou na Cidade Maravilhosa o show “Rio de muitos janeiros”, onde revisita as canções que embalavam o Brasil e as boates da capital fluminense nos anos 1960.

“Nessa época, eu ainda morava em Belém e só tínhamos um voo para o Rio. As novidades chegavam através de revistas como O Cruzeiro ou pelas mãos de quem voltava de lá trazendo os discos na mala. Assim fui construindo uma memória”, relembra. O show deve entrar em turnê a partir de agosto, mas Fafá já adianta o desejo de apresentá-lo no Teatro Amazonas.

Autobiografia

É justamente em torno da memória que a cantora pretende basear uma de suas próximas obras – uma autobiografia que ela pretende começar a escrever em junho. Enquanto o Brasil estiver fervilhando em ritmo de Copa do Mundo, Fafá estará em Portugal, mais especificamente no Alentejo, acompanhando tudo pela televisão e com energias concentradas no livro.

“Venho em junho para cumprir agenda de shows no Nordeste, mas logo em seguida retorno a Portugal. Só volto se for convidada para cantar ‘Vermelho’ na Arena da Amazônia”, dispara, às gargalhadas. “Seria uma honra para mim”, completa. Caso o desejo se concretize, ela ainda promete emendar a visita com o Festival de Parintins, que ela não frequenta desde 2011.

A previsão é que a autobiografia seja lançada no próximo ano, quando Fafá comemora 40 anos de carreira. O nome do livro ela não revela por nada, mas conta que a obra foi batizada por Millôr Fernandes, na companhia de quem ela costumava almoçar aos sábados. “Há um tempão ensaio escrever essa biografia, e agora com os 30 anos das Diretas Já [ela é considerada a musa do movimento] o assunto voltou à tona, mas acho que o enfoque seria outro”, justifica.

Segundo a intérprete, o livro será o registro da sua vida “até onde ela lembra”. “Tenho história com tanta gente... quero mostrar esse olhar de uma menina da Amazônia que continua sendo a mesma cabocla da beira do igarapé, sem nunca ter negociado a minha alma e sem preconceitos entre popular, erudito e MPB”.

A paraense também empre foi boa contadora de causos, e foi o próprio Millôr quem lançou a ideia de que ela deveria registrar suas histórias no papel. À reportagem, ela rememorou fatos da época em que fez a estreia nacional do seu primeiro show, “Tamba Tajá”, no Teatro Amazonas, em 1976. “Fiquei em cartaz durante uma semana e depois fomos tocar numa praça de Itacoatiara. Passamos por cima de cobra e até colocamos tartaruga dentro do ônibus. Tenho muitas fotos desse período...”.

Cenário musical

Quando o assunto são os novos cantores e compositores brasileiros, a cantora conta que está sempre de olho no cenário da música atual. Dentre os nomes que ela destaca estão Tulipa Ruiz, Lia Sophia, Felipe Cordeiro, Criolo e Emicida. Sobre possíveis parcerias, Fafá adianta: “Já estou até com músicas deles e ensaiando em casa. Faço barulho para não verem passar minha canoa”, revela, com a voz matreira.

O próximo disco, por sua vez, vai ter o clima dos bordéis e músicas românticas da Amazônia, que ela chama de “fados caribenhos”. “Estou buscando nossa sonoridade há uns dois anos, e agora encontrei pessoas que entendem o que quero. Vou tocando sem pressa esses projetos. A pressa fica na adolescência”.

Serviço

O quê: Show com grandes sucessos de Fafá de Belém; pré show com a banda Baile do Clube

Onde: Clube Municipal, avenida Torquato Tapajós

Quando: Sábado (10), às 21h

Quanto: R$ 40 (pista) e R$ 100 (lugar na mesa VIP)

Informações: (92) 3651-2283