Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Fora dos cinemas de Manaus, ‘Azul é a cor mais quente’ ganha campanha para vir à capital

Grande destaque do Festival de Cannes deste ano, o longa-metragem “Azul é a cor mais quente” tenta lançamento em outras capitais fora do circuito

Filme de Abdellatif Kechiche conta a história de uma menina que se apaixona por uma garota de cabelos azuis. Produção reserva cenas intensas e cheias de emoção

Filme de Abdellatif Kechiche conta a história de uma menina que se apaixona por uma garota de cabelos azuis. Produção reserva cenas intensas e cheias de emoção (Divulgação)

Nesta sexta-feira (6) Manaus ficou, novamente, de fora da rota de um grande filme. Desta vez, o preterido pelas redes de cinema que atuam na capital foi o elogiado “Azul é a cor mais quente”, grande vencedor da Palma de Ouro no Festival de Cannes 2013, realizado em maio na França.

Lançado em apenas 13 cidades brasileiras - São Paulo, Santos, Rio de Janeiro, Salvador, Fortaleza, Campinas, Brasília, Porto Alegre, Curitiba, Recife, Florianópolis, Belo Horizonte e Sorocaba -, a distribuidora nacional detentora do filme, a Imovision, começou na última quinta uma campanha para estender o circuito do drama erótico no País.

Para aderir à iniciativa, basta substituir o avatar do Facebook por uma imagem de um coração azul, disponibilizada na página oficial da distribuidora independente, na rede social.

Cinéfila assumida, a comunicadora Andrea Martins já está participando da campanha. “É triste que Manaus tenha tantas salas de cinema que só passam as mesmas coisas. Acho que subestimam a inteligência do espectador. Temos público para esse tipo de filme”, comentou a comunicadora.


Segundo ela, iniciativas como esta da Imovision são bem vistas, mas o público precisa se manifestar mais. “Essas campanhas funcionam, pois ‘Antes da meia-noite’ também só chegou aqui depois de uma bela ‘chorada’. Quando chegar o Oscar, vai estar todo mundo falando desse filme, mas ele já existe há meses”, apontou Andrea. “Sinto falta de uma sala que traga títulos que estão fora do circuito ‘mainstream’ em Manaus”, encerrou.

Outros casos

Não é a primeira vez que a comunidade se mobiliza para trazer um filme à capital amazonense. Em junho deste ano, o documentário “Elena” achou nas redes sociais a sua moeda de pressão para invadir os cinemas manauaras, através de eventos criados no Facebook. Na época, pelo menos três foram feitos para trazer o longa.

“O próprio fã pode ser RP do filme. Basta imprimir um release e mostrá-lo aos representantes do cinema: ‘Ei, você já ouviu falar desse longa?’”, aconselhou Graça Cremon, responsável pelo trabalho de divulgação de “Elena” no Brasil, em entrevista à equipe de reportagem do BEM VIVER, feita ainda em junho.

A campanha surtiu efeito e, menos de um mês depois, o premiado documentário da diretora Petra Costa chegou a Manaus. A produção foi destaque da mostra de encerramento da Semana do Audiovisual 2013 (SEDA), que aconteceu entre os dias 5 e 10 de agosto.

Outro caso, ocorrido há três anos, foi referente ao cultuado “Scott Pilgrim contra o mundo”. Baseado nas HQs de Bryan Lee O’Malley, o filme ganhou lançamento limitadíssimo em outubro de 2010, sendo exibido em apenas algumas salas de São Paulo.

A notícia foi o suficiente para mobilizar os fãs amazonenses, que, logo em seguida, iniciaram uma campanha pelo Twitter. O movimento até ganhou força, mas não foi o suficiente para chamar a atenção da Paramount, distribuidora do longa de fantasia no Brasil.

‘Azul é a cor...’

“Azul é a cor mais quente” é uma adaptação das histórias em quadrinho homônimas escritas e desenhadas por Julie Maroh, e publicadas em 2010. No Festival de Cannes deste ano, o filme levou os prêmios de Melhor Diretor, para Abdellatif Kechiche, e Melhor Filme (a Palma de Ouro), concedido pela primeira vez em sua história também a duas atrizes: Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux.

Sinopse

Adèle (Adèle Exarcho-poulos) é uma garota de 15 anos que descobre, na cor azul dos cabelos de Emma (Léa Seydoux), sua primeira paixão por outra mulher. Sem poder revelar a ninguém seus desejos, ela se entrega por completo a este amor secreto, enquanto trava uma guerra com sua família e com a moral vigente.