Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Estudo revela que brasileiros pagariam por horas a mais, diz pesquisa

Recentepesquisa feita pelo IBOPE Inteligência, analisou pela primeira vez como osbrasileiros fazem uso e se relacionam com o tempo

Viver nos tempos atuais não é uma tarefa tão fácil. Cada vezmais as pessoas necessitam de tempo para cumprir todas suas atividades ou atémesmo interagir com outras pessoas do seu círculo familiar. É tanta tarefa,como cuidar de casa, dos filhos, enfrentar engarrafamentos de trânsito,trabalhar, estudar, que muitos chegam a pensar que 24 horas não são osuficiente para encarar suas rotinas. É o que revela uma recente pesquisa feitapelo IBOPE Inteligência, que analisou pela primeira vez como os brasileirosfazem uso e se relacionam com o tempo.

O estudo analisou um dia útil típico na vida do brasileiro edescobriu que começa entre 6 e 7 horas da manhã e acaba por volta das 22h,incluindo cerca de 40 minutos de deslocamentos ao longo do dia. Quando questionadosse e quanto pagariam por uma hora a mais no dia, 1/3 dos brasileirosdemonstraram interesse na compra, sendo que o valor seria, em média, R$ 50 emum dia útil. Mas os homens tenderiam a pagar R$ 85 por uma hora a mais em umdia de folga.

Essa rotina frenética é algo comum na vida de Márcio Braga,o qual conta com diversas atividades, como um dos integrantes do programa“Magazine” (TV A Crítica), como apresentador do programa “A hora do roxo” (NovaA Crítica FM), comediante, garoto propaganda e pai. “O meu dia começa às 6h20depois de ir dormir à 1h ou 1h30. Sim, eu durmo pouco (risos)! Não é uma tarefafácil administrar meu tempo. Agora resolvi cuidar mais da minha saúde e entendique precisava me dar de presente esse tempo: o tempo de saúde”, disse o humorista.

“Meu dia se resume assim: deixo filho na escola, exercíciofísico, TV com o ‘Magazine’, almoço com a família ou algum patrocinador ouamigo, reunião à tarde, às 16h chego à rádio, saio às 19h, reunião ou jantarcom amigos ou família, leio antes de dormir, tento responder algumas mensagensem redes sociais, verifico temas que serão abordados na TV, rádio, teatro epesquiso sobre algo que usarei num show de teatro. Depois disso, eu voudormir”, complementou. Apesar da super rotina, ele disse que não mudaria nadapara ganhar mais tempo.

“Acredito que Deus nos deu esse tempo, caso contrário ocorpo não aguentaria. É preciso respeitar sempre o tempo que nos é dado”.

No trânsito

O estudou apontou ainda que a população da região Norte é asegunda colocada quando o assunto é tempo em deslocamentos (82 minutos emmédia), empatada com a região Sudeste. O Sul foi o campeão em tempo perdido notrânsito. E esse longo tempo no trânsito acaba gerando certos aborrecimentos,como é o caso do engenheiro mecânico Marcelo Duarte.

“O que me deixa mais estressado é o engarrafamento ao sairdo trabalho e ir para a pós-graduação, se eu tivesse motorista particular seriamelhor. Essa demora para chegar aos locais me estressa. O trânsito é formadopor pessoas educadas e mal-educadas, por isso você acaba tendo um transtorno”,revelou Duarte, que, além do trabalho e da especialização, faz curso de japonêse inglês durante a semana – o seu único dia livre é o domingo, o qual passa,boa parte das vezes, para revisar seu material de estudos.

Para atender com calma todas suas tarefas, segundo oengenheiro, seria necessário o dia ter 48 horas. “Além dos estudos e dotrabalho, nós temos que ter tempo para nos distrair, extravasar, porque semisso a mente não aguenta”, justificou.

Envelhecer

Outro ponto bastante interessante da pesquisa é que elarevela que 37% da população do Norte tem medo de envelhecer – índice abaixo doresto do País (42% em média). No entanto, no caso de Braga, isso não é um medo.“Não tenho medo de envelhecer. Eu não sei se o fato disso é que desde criançafui educado por pessoas mais idosas. Sempre curti muito meus avôs. Quando aspessoas refletem sobre envelhecer, elas pensam no sofrer, em doenças, e não queconseguiram chegar até aqui. Eu quero ter o prazer de envelhecer”, disse ohumorista, à frente do programa de rádio “A hora do roxo”, que começa bem nohorário de pico do trânsito (leia a peça abaixo).

Braga ainda fez questão de deixar uma lição aos leitores:“Acho que uma boa dica para aproveitar o tempo é usá-lo a seu favor. Use estetempo para se amar, use para amar sua família, use seu tempo para o trabalho,mas que seja um trabalho que você ame. Use seu tempo mesmo que seja na hora dotrânsito, para agradecer a Deus pelo milagre da vida. Use seu tempo para que otempo lhe dê muito mais tempo nesta vida”, filosofou.

Aplicativogerenciador

Ao observar a dificuldade que seus colegas de profissãotinham em criar uma rotina de trabalho sem comprometer as suas atividadespessoais, José Silva, universitário do curso de Design, decidiu criar umaplicativo para ajudá-los a administrar meu melhor seu tempo. “A partir disso,surgiu a ideia de desenvolver um aplicativo gerenciador de tempo como tema parao meu trabalho de conclusão de curso, com o objetivo de organizar e catalogarserviços sincronizando com o tempo disponível do usuário”, disse o estudante,que se forma no próximo semestre.

‘A hora do roxo’ noengarrafamento

O programa de rádio é apresentado por Márcio Braga nohorário de pico do trânsito . Sempre nas ruas neste horário, o radialista já sedeparou com histórias engraçadas, como do ouvinte que lhe pediu para colocaruma canção para o filho: “Ele pediu que eu colasse a música da GalinhaPintadinha para acalmar o filho que vinha da escola”. Essa é uma das históriasque o humorista pretende contar num livro, mas, por enquanto, tudo não passa deum projeto.

recentepesquisa feita pelo IBOPE Inteligência, que analisou pela primeira vez como osbrasileiros fazem uso e se relacionam com o tempo

Quando questionados se e quanto pagariam por uma hora a mais no dia, 1/3 dos brasileiros demonstraram interesse na compra, sendo que o valor seria, em média, R$ 50 em um dia útil

Quando questionados se e quanto pagariam por uma hora a mais no dia, 1/3 dos brasileiros demonstraram interesse na compra, sendo que o valor seria, em média, R$ 50 em um dia útil (Reprodução/Internet)

Viver nos tempos atuais não é uma tarefa tão fácil. Cada vez mais as pessoas necessitam de tempo para cumprir todas suas atividades ou até mesmo interagir com outras pessoas do seu círculo familiar. É tanta tarefa, como cuidar de casa, dos filhos, enfrentar engarrafamentos de trânsito, trabalhar, estudar, que muitos chegam a pensar que 24 horas não são o suficiente para encarar suas rotinas. É o que revela uma recente pesquisa feita pelo IBOPE Inteligência, que analisou pela primeira vez como os brasileiros fazem uso e se relacionam com o tempo.

O estudo analisou um dia útil típico na vida do brasileiro e descobriu que começa entre 6 e 7 horas da manhã e acaba por volta das 22h, incluindo cerca de 40 minutos de deslocamentos ao longo do dia. Quando questionados se e quanto pagariam por uma hora a mais no dia, 1/3 dos brasileiros demonstraram interesse na compra, sendo que o valor seria, em média, R$ 50 em um dia útil. Mas os homens tenderiam a pagar R$ 85 por uma hora a mais em um dia de folga.

Essa rotina frenética é algo comum na vida de Márcio Braga, o qual conta com diversas atividades, como um dos integrantes do programa “Magazine” (TV A Crítica), como apresentador do programa “A hora do roxo” (Nova A Crítica FM), comediante, garoto propaganda e pai. “O meu dia começa às 6h20 depois de ir dormir à 1h ou 1h30. Sim, eu durmo pouco (risos)! Não é uma tarefa fácil administrar meu tempo. Agora resolvi cuidar mais da minha saúde e entendi que precisava me dar de presente esse tempo: o tempo de saúde”, disse o humorista.

“Meu dia se resume assim: deixo filho na escola, exercício físico, TV com o ‘Magazine’, almoço com a família ou algum patrocinador ou amigo, reunião à tarde, às 16h chego à rádio, saio às 19h, reunião ou jantar com amigos ou família, leio antes de dormir, tento responder algumas mensagens em redes sociais, verifico temas que serão abordados na TV, rádio, teatro e pesquiso sobre algo que usarei num show de teatro. Depois disso, eu vou dormir”, complementou. Apesar da super rotina, ele disse que não mudaria nada para ganhar mais tempo.

“Acredito que Deus nos deu esse tempo, caso contrário o corpo não aguentaria. É preciso respeitar sempre o tempo que nos é dado”.

No trânsito

O estudou apontou ainda que a população da região Norte é a segunda colocada quando o assunto é tempo em deslocamentos (82 minutos em média), empatada com a região Sudeste. O Sul foi o campeão em tempo perdido no trânsito. E esse longo tempo no trânsito acaba gerando certos aborrecimentos, como é o caso do engenheiro mecânico Marcelo Duarte.

“O que me deixa mais estressado é o engarrafamento ao sair do trabalho e ir para a pós-graduação, se eu tivesse motorista particular seria melhor. Essa demora para chegar aos locais me estressa. O trânsito é formado por pessoas educadas e mal-educadas, por isso você acaba tendo um transtorno”, revelou Duarte, que, além do trabalho e da especialização, faz curso de japonês e inglês durante a semana – o seu único dia livre é o domingo, o qual passa, boa parte das vezes, para revisar seu material de estudos.

Para atender com calma todas suas tarefas, segundo o engenheiro, seria necessário o dia ter 48 horas. “Além dos estudos e do trabalho, nós temos que ter tempo para nos distrair, extravasar, porque sem isso a mente não aguenta”, justificou.

Envelhecer

Outro ponto bastante interessante da pesquisa é que ela revela que 37% da população do Norte tem medo de envelhecer – índice abaixo do resto do País (42% em média). No entanto, no caso de Braga, isso não é um medo. “Não tenho medo de envelhecer. Eu não sei se o fato disso é que desde criança fui educado por pessoas mais idosas. Sempre curti muito meus avôs. Quando as pessoas refletem sobre envelhecer, elas pensam no sofrer, em doenças, e não que conseguiram chegar até aqui. Eu quero ter o prazer de envelhecer”, disse o humorista, à frente do programa de rádio “A hora do roxo”, que começa bem no horário de pico do trânsito (leia a peça abaixo).

Braga ainda fez questão de deixar uma lição aos leitores: “Acho que uma boa dica para aproveitar o tempo é usá-lo a seu favor. Use este tempo para se amar, use para amar sua família, use seu tempo para o trabalho, mas que seja um trabalho que você ame. Use seu tempo mesmo que seja na hora do trânsito, para agradecer a Deus pelo milagre da vida. Use seu tempo para que o tempo lhe dê muito mais tempo nesta vida”, filosofou.

Aplicativo gerenciador

Ao observar a dificuldade que seus colegas de profissão tinham em criar uma rotina de trabalho sem comprometer as suas atividades pessoais, José Silva, universitário do curso de Design, decidiu criar um aplicativo para ajudá-los a administrar meu melhor seu tempo. “A partir disso, surgiu a ideia de desenvolver um aplicativo gerenciador de tempo como tema para o meu trabalho de conclusão de curso, com o objetivo de organizar e catalogar serviços sincronizando com o tempo disponível do usuário”, disse o estudante, que se forma no próximo semestre.

‘A hora do roxo’ no engarrafamento

O programa de rádio é apresentado por Márcio Braga no horário de pico do trânsito . Sempre nas ruas neste horário, o radialista já se deparou com histórias engraçadas, como do ouvinte que lhe pediu para colocar uma canção para o filho: “Ele pediu que eu colasse a música da Galinha Pintadinha para acalmar o filho que vinha da escola”. Essa é uma das histórias que o humorista pretende contar num livro, mas, por enquanto, tudo não passa de um projeto.