Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Fotógrafo amazonense ganha prêmio internacional

Raphael Alves conquistou o primeiro lugar no disputado prêmio internacional “Me & My Leica X”

Alves irá viajar para a cidade de Wetzlar com tudo pago pela Leica

Alves irá viajar para a cidade de Wetzlar com tudo pago pela Leica (Brun Kelly)

É amazonense o olhar que conquistou o primeiro lugar do prêmio internacional de fotografia “Me & My Leica X”, promovido pela marca alemã de câmeras de mesmo nome. O fotógrafo Raphael Alves foi reconhecido dentre diversos concorrentes de outros países pelos registros feitos no Recôncavo Baiano, os quais renderam o ensaio “Limites imprecisos”. As fotos de Alves e dos demais vencedores estão disponíveis no link http://goo.gl/3vdvwW.

O resultado do concurso saiu ontem e foi recebido com muita satisfação por Alves. “Nós que somos fotógrafos trabalhamos com a visualidade, então o pressuposto é ter alguém visualizando o nosso trabalho. Ser reconhecido em outra cultura, dentre os fotógrafos de outros lugares, e, com um olhar brasileiro, é muita alegria para mim”, comentou.

Como prêmio, o fotógrafo ganhou uma viagem com todas as despesas pagas para a cidade de Wetzlar, na Alemanha, onde irá participar da inauguração do Leitz Park (sede da Leica). Na ocasião, as fotos de “Limites imprecisos” estarão expostas. Mas esta é apenas uma parte da premiação - o restante é surpresa até para Alves, pois a Leica se resumiu a lhe dizer que ele vivenciará uma experiência completa pelo mundo da fotografia.

Cliques da imprecisão

O ensaio que lhe rendeu reconhecimento da empresa alemã foi feito no Recôncavo Baiano, uma região que, segundo Raphael Alves, é imprecisa por natureza.

“Ninguém sabe onde começa e onde termina o Recôncavo Baiano. São pequenos vilarejos. A própria cidade de Salvador é considerada parte do Recôncavo. Mas neste trabalho, a questão era fotografar o lado humano do local em diferentes contextos” conta o fotógrafo, que para os registros utilizou câmera Leica modelo X1. “Eu abordo várias questões, o momento de clicar, de abaixar a câmera, enfim, o paralelo entre essa parte imprecisa e o momento certo de fotografar”.

Alves visitou a região no ano passado quando foi assistir um workshop do também fotógrafo Ernesto Bazan, quem ele considera seu maior referencial na área. Almejando um dia poder ver seu trabalho no mesmo patamar de Bozan, Raphael Alves segue a carreira agora com o orgulho de mais uma conquista.