Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Pirão AM une arte e ação social na 4ª edição do Festival Cultural do Pirão, que começa nesta segunda

Além dos shows musicais, movimento firma parceria com o Greenpeace e se torna ‘realizador de desejos’ nas comunidades de Manaus

Das zonas que o Pirão já atingiu, estão a Central, Leste e agora Norte

Das zonas que o Pirão já atingiu, estão a Central, Leste e agora Norte (Divulgação/Luana Záu)

O Movimento Pirão AM, conhecido por difundir a arte e a linguagem amazônica nas diversas zonas da capital amazonense – e também a outros estados do Norte em forma de web rádio - acaba de firmar parceria com o Greenpeace Manaus. A 4ª edição do Festival Cultural do Pirão AM, que acontece nesta segunda (26), a partir das 17h, na Praça de Alimentação da Cidade Nova I, além de contar com os shows musicais de nomes como Morgados, Alaídenegão, Anne Jezini, Márcia Novo, Casa de Caba, Pacato Plutão e Gordons e com atividades multiartísticas, já terá a presença da organização no local, com ações de conscientização ambiental.

De acordo com Denilson Novo, guitarrista da banda Os Tucumanus e membro do Pirão AM, a participação do Greenpeace nesta edição do projeto se alia às campanhas de sensibilização e conscientização sobre questões ambientais. “Eles estarão doravante em nossos festivais e algumas ações com stands, performances e atividades educacionais”, aponta Novo. Ainda segundo ele, os membros da organização estarão fantasiados de vaca, em alusão às questões pecuárias, dentre outras performances. A interação deve ser total com o público, paralela aos shows e demais atividades.

Além de ser regado por muita música, a programação de segunda envolve intervenções do palhaço Xuxu; performances de dança contemporânea com Adam Anjos; apresentação do Maracatu Eco da Sapopema e Quebra Muro – este último formado por pacientes psiquiátricos do Centro de Atenção Psicossocial; intervenções simultâneas de profissionais do graffiti durante os shows e um recital de poesias feito pelo Grupo Formas em Poemas, composto só por mulheres. As poesias serão recitadas no intervalo das bandas.

O programa do Pirão AM, hospedado na Rádio Batukada, é atualmente o mais ouvido da Região Norte, segundo Milton Jorge, vocalista da banda Cabocrioulo e membro do Pirão. Ainda segundo Jorge, a 5ª edição do Festival Cultural do Pirão será ainda maior, no bairro Dom Pedro, localização próxima à Arena da Amazônia e dos jogos da Copa do Mundo, para atrair os turistas e manauaras. “Na 1ª edição do festival, que aconteceu na Praia da Lua, esperávamos umas 50 pessoas e acabou dando quase duas mil. A gente se propôs a fazer todo mês uma edição e a meta está sendo realizada”, celebra o cantor.

Jogo Oasis

E nem só das múltiplas formas de arte vive o Pirão AM: o projeto é um fervoroso entusiasta das ações sociais. A última delas é a atividade que aconteceu durante a semana que antecede o festival, iniciada na última segunda (19) e que irá até o dia 26, com encerramento no dia da grande festa. Chamada de “Oasis Pirão AM”, a ação é feita em parceria com o projeto Aldeia dos Sonhos, que percorreu a Comunidade Baixada Fluminense, do bairro Cidade Nova I, para mostrar aos moradores maneiras bem práticas de realizar os sonhos que os membros têm em relação ao núcleo em que vivem.

De acordo com Juliana Teles, idealizadora do Aldeia dos Sonhos com Adriane Moraes, foi aplicada a metodologia “Sete Passos” no projeto, chamado de “Jogo Oasis”. Um grupo mobilizador mergulhou “in loco” na comunidade e desenvolveu etapas junto aos moradores, como contemplar a beleza dos arredores da comunidade, estreitar as relações pessoais e descobrir os talentos de cada um, bem como perguntar à população o que eles sonham para o núcleo e a captação de recursos para transformar o tal sonho em realidade. No caso da Baixada Fluminense, que escolheu revitalizar a Praça da Baixada, o grupo e comunidade bateram nas portas de residências e comércios para buscar recursos como materiais e equipamentos de construção.