Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Prefeitura de Manaus realiza primeiro Réveillon da Zona Sul, na Orla do ‘Amarelinho’

A festa no bairro Educandos inicia às 19h30 e terá shows de boi-bumbá, forró, samba, pagode e gêneros musicais. As bandas Guetto e Vai Garotão serão as principais atrações, que sobem ao palco depois da queima de fogos

A queima de fogos coloriu o céu de Manaus; diferente de outros anos, turistas e moradores não puderam ter acesso à areia

Segundo a prefeitura, foram realizadas melhorias na Orla do Amarelinho, que por muito tempo ficou depredada e abandonada (Clóvis Miranda)

Mais de 15 mil pessoas são esperadas para comparecerem no Réveillon que será realizado pela primeira vez na Orla do Amarelinho, no bairro Educandos, na Zona Sul de Manaus. A festa inicia às 19h30 e terá shows de boi-bumbá, forró, samba e pagode, entre outros gêneros musicais.

Promovido pela Prefeitura de Manaus, por meio da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), o evento terá como atração de abertura o grupo de samba Madrugada, seguido pela banda Timidez, que toca vários ritmos, e também do grupo Gang do Forró.

O cantor de toadas P.A. Chaves se apresentará antes da virada do ano e a contagem regressiva para 2014 será precedida por show do intérprete Negro da Grande Rio e Bateria. As bandas Guetto e Vai Garotão, atrações mais esperadas da festa, se apresentam após o show da queima de fogos.

“Promover uma festa desta magnitude no Amarelinho é uma forma de celebrar, junto à população, as conquistas deste primeiro ano de gestão e ainda valorizar a cultura dos bairros”, avalia o diretor-presidente da Manauscult, Bernardo Monteiro de Paula, sobre o evento no local.


Segundo a prefeitura, foram realizadas diversas melhorias na área do Amarelinho neste segundo semestre visando dar qualidade de vida à população local e preparar a festa. O local ficou por muito tempo abandonado e depredado, conforme o A CRÍTICA noticiou em novembro deste ano

*Com informações da assessoria de imprensa