Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Superstição: presentear o(a) namorado(a) com perfume leva ao fim do relacionamento?

Andréa presenteou o marido Carlos Eduardo com um perfume quando namoravam. Ao contrário do que se imaginava, os dois se casaram

Andreá e Carlos Eduardo durante o casamento

Andreá e Carlos Eduardo durante o casamento (Divulgação)

Superstição de presentear a pessoa amada com perfume já não assusta os apaixonados. Segundo especialistas, o amor não ocorre à primeira vista e sim ao primeiro cheiro. Quem está pensando em presentear o namorado ou namorada com perfume já deve ter ouvido o velho ditado: “quando se dá perfume de presente, o namoro termina junto com a fragrância”. A superstição de anos e anos atrás ainda provoca receio nos enamorados. Afinal, quem quer presentear não está pensando em terminar, muito pelo contrário, quer agradar e acertar no presente.

Explicação mítica
Mas, se o cheiro está na rotina de muitos casais, porque justamente nesse dia iria fazer mal presentear com aquele perfume especial que marcou tantos bons momentos juntos? De acordo com a psicóloga Ana França, “superstição ou comportamento supersticioso (como chamamos em uma parte da psicologia) nada mais é do que uma explicação mítica para um fato. Normalmente esta explicação está ligada ao conhecimento do senso comum e existe desde que tentamos encontrar explicações para o que não conhecemos ou tememos. Faz parte da ‘natureza’ humana temer o que não conhece e muitas vezes, dar explicações por continuidade temporal e não por relação causal”.

Informações cruzadas
E como não dá pra controlar o jeito que a história é contada, ainda hoje superstições como essa do perfume sobrevivem, porém com algumas alterações. A psicóloga explica que há também aqueles que não acreditam ou que não conhecem o mito e ‘desobedecem’, provocando o embate quando as informações são cruzadas. É o que acontece entre os irmãos Andréa Lira e Marcos Almeida, que apesar de possuírem muitas coincidências - os dois nasceram no mês de fevereiro, se formaram no curso de Direito -, são totalmente opostos quando o assunto é superstição.