Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Banda ‘Triplugados’ aposta alto em revival realizado em Manaus

Integrantes se reúnem com os fãs de Manaus para reviver bons momentos da banda, que estava sem tocar desde 2010 após temporada no Rio de Janeiro

Ygor Saunier, Eduardo Branco, Vanderlon Didio e Daniel Menezes (na foto, falta Fábio Passos): ansiosos para reencontrarem os fãs

Ygor Saunier, Eduardo Branco, Vanderlon Didio e Daniel Menezes (na foto, falta Fábio Passos): ansiosos para reencontrarem os fãs (Divulgação)

Depois de quatro anos sem tocar, a Triplugados está de volta à cena - ainda não se sabe se temporariamente ou com algo mais duradouro. Tudo vai depender do sucesso do show de “revival” da banda, marcado para este sábado (22), às 22h no bar Fino da Bossa. Os integrantes aproveitam a oportunidade de todos estarem em Manaus na mesma época para reviver bons momentos entre fãs e amigos, executando repertório focado no trabalho autoral.

Dentre suas músicas mais conhecidas - e já confirmadas para a apresentação - estão “Milagre na Floresta”, “Sebastião”, “Vida de Artista”, “Tanto Faz” e “Pó de Guaraná”. Entre os poucos covers que pretendem tocar, estão nomes como Pedro Mariano, Lenine e Ed Motta, todos inspirados no estilo funk americano, misturado com elementos de jazz e blues que norteia a banda.

Expectativas

A Triplugados foi tentar a sorte no Rio de Janeiro em 2009. Segundo o baterista Ygor Saunier, o som do grupo fazia o tipo “vanguardista” para a capital amazonense na época, mas estava super em alta no sudeste. Porém, por motivos pessoais, o quinteto encerrou as atividades um ano depois, quando alguns integrantes voltaram para a capital amazonense. O vocalista, Eduardo Branco e o baixista Daniel Menezes decidiram ficar na cidade maravilhosa.

Esta não é a primeira vez que os músicos tentam se reunir. Ano passado a tentativa foi frustrada. “Não foi muito bom porque não foi o baixista nem o baterista. Agora sim, com a banda original completa, vai ser outra vibe”, adianta Branco, que paralelamente investe em sua carreira solo. “Estamos animados. Os fãs e amigos da banda já estão confirmando, divulgando. Tem também a galera nova, que acompanha meu trabalho solo e está curiosa, interessada”.

Enquanto isso, os ensaios para o revival estão a todo vapor. Até porque, o período em que os integrantes passaram afastados significa o advento de novas influências musicais para todos. “Hoje a gente já toca com uma maturidade musical diferente de quando começamos, por isso, está saindo algo bem diferente”, explica Saunier.

Futuro?

Com relação a uma possível volta da banda, mesmo que num projeto sustentado na “ponte aérea”, Branco é categórico. “Isso só o futuro dirá. Nossos planos são modestos a curto prazo. Queremos primeiro ver como vai funcionar esse revival para depois planejarmos algo mais concreto”, diz. Ygor Saunier, por si, considera a reunião uma forma de resgatar bons momentos da adolescência dos integrantes e de muitos fãs que certamente estarão presentes. O resultado pode ser tanto uma gravação em estúdio, quanto apenas uma forma de relembrar um passado feliz.