Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Crianças com mais de 2 anos que ainda chupam dedo podem estar com estresse emocional

Coordenador da Saúde da Criança alerta que após o segundo ano de vida da criança, chupar o dedo pode, também, prejudicar o desenvolvimento dos dentes

Chupar os dedos pode ser estresse emocional

Chupar os dedos pode ser estresse emocional (Divulgação)

Quem nunca presenciou um bebê chupando dedo? Essa prática realmente é comum. Porém, segundo o coordenador da Saúde da Criança do Ministério da Saúde, Paulo Bonilha, muitas crianças continuam com a mania após os dois anos de idade.

O coordenador alerta que após o segundo ano de vida da criança, chupar o dedo pode prejudicar o desenvolvimento dos dentes. De acordo com Bonilha, grande parte das crianças com mais de dois anos que ainda chupam dedo pode estar com estresse emocional, por causa do nascimento de um irmão, por exemplo. Paulo Bonilha, dá dicas aos pais para resolver o problema nesses casos: ”Se tem alguma situação que está levando a criança a se sentir carente, estressada emocionalmente, que ela seja compensada de alguma forma. Leva-la mais ao colo, enfim, é preciso compensá-la para que ela não busque a sucção como alivio.”

O coordenador da Saúde da Criança condena um velho costume: colocar substâncias de sabor ruim nas mãos das crianças. Segundo ele, essas não são medidas recomendadas para evitar que as crianças levem o dedo na boca: ”São muito agressivas e podem até mesmo ser perigosas, de colocar pimenta, excrementos de galinha, são coisas que eventualmente a gente vê acontecendo popularmente e que não são sugeridas de forma alguma.”

O hábito de chupar os dedos também prejudica o desenvolvimento da fala e até mesmo mastigar e engolir. Caso os pais tenham dificuldade para resolver o problema, a dica é procurar um profissional de saúde para receber novas orientações e evitar que o hábito torne um ‘vício’ na fase adulta.

*Com informações do site Blog da Saúde