Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Diretora-geral da Nürnberg Messe Brasil bate papo com a equipe do Jornal A Crítica

Hoje, a carioca Lígia Amorim é a única mulher a comandar a filial de um dos maiores grupos internacionais de eventos no País, tornado-se uma brasileira de sucesso

Lígia Amorim atua há mais de 20 anos no setor de eventos

Lígia Amorim atua há mais de 20 anos no setor de eventos (Divulgação)

A graduação em engenharia elétrica obtida no ano de 1983, e as dificuldades das mulheres de ingressarem, à época, neste mercado, fizeram com que Lígia Amorim mudasse de rumo e escolhesse trilhar o caminho profissional na área de eventos. Atualmente, a carioca (naturalidade exibida com orgulho, apesar de residir há anos em São Paulo) é a única mulher a comandar a filial de um dos maiores grupos internacionais de eventos no País: ela é diretora-geral da Nürnberg Messe Brasil, empresa alemã que se consolida como uma das 10 maiores da Europa.

No catálogo das seis feiras realizadas pelo grupo está a FCE Cosmetique (considerada a maior feira voltada para o segmento cosmético na América Latina). Ao declarar que o evento aborda uma de suas temáticas preferidas, Lígia justifica: “O Brasil é o terceiro maior mercado consumidor de cosméticos no mundo, e só perde para os Estados Unidos e China. Até porque os cosméticos são uma característica do Brasileiro. A primeira pergunta que eu faço é ‘quantas marcas de shampoo você tem no seu box?’ Dificilmente, neste País, uma mulher tem apenas um shampoo. Não só por ser um País de clima quente, mas sim por ser um País de gente vaidosa. E os cabelos, por exemplo, são a parte mais sensível”, ressalta.

O crescimento do uso de cosméticos comprova a evolução destes produtos em todos os setores, pondera a diretora. Evolução essa que atinge inclusive o emocional humano. “É um mercado que cresce ainda mais nos tempos de crise, porque estudos comprovam que neste período as pessoas deixam de trocar de carro, de comprar algum bem durável, mas não deixam de se cuidar para manter sua auto-estima e então passa a adquirir mais produtos cosméticos”, coloca. Para ela, os produtos anti-idade têm um lugar cativo nesta importante fase do Brasil.

“Tudo porque a população está envelhecendo, somos um País que tem muito sol. Proteção e fator solar já estão inseridos no nosso dia a dia”, destaca, surpreendendo ao dizer que os homens brasileiros são extremamente vaidosos e que isso se reflete no mercado de cosméticos.

“Segundo eu soube há uns três anos atrás, por meio de pesquisas, nós somos o terceiro País que mais consome produtos de beleza masculinos. Eles não assumem, até porque a mulher é a responsável por comprar o produto de beleza do homem”, assegura.

Fuga e Lazer

Há 20 anos neste ramo, Lígia se revela absolutamente apaixonada pelo que faz. “É cansativo, desgastante, e o corpo até sente, mas isso não incomoda nem um pouco. Posso garantir que consigo entusiasmar qualquer um da minha equipe a fazer o que precisa ser feito”, complementa. E sobre como ela faz o corpo sentir menos o impacto de sua rotina, a diretora aponta:

“Faço corrida, caminhada, mergulho e ainda leio bastante. Caminho três vezes por semana, às 6h30 da manha já estou correndo. Ainda faço pilates pra dar uma ‘alongada’ e quando chega o fim de semana, eu mergulho”, revela, adiantando que nem seus hobbies ou funções na Nürnberg seriam possíveis se ela não tivesse amor pelo que faz. “É brilho no olho, não tenha dúvida”, encerra Amorim.