Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Disco de tecladista brasileiro traz sonoridades de tribos indígenas

'Plugins Amazônicos' é o primeiro álbum solo do tecladista Renato Neto, que será lançado nesta sexta-feira (09). Ele já trabalhou com nomes como Prince e Tim Maia

O disco solo do tecladista Renato Neto conta com 14 faixas

O disco solo do tecladista Renato Neto conta com 14 faixas (Renato Soares)

Ele passou 20 anos morando fora do País, tocando com artistas como Prince, Rod Stewart, entre outros. No entanto, o tecladista Renato Neto não deixou de pensar em seu Brasil, com tantas sonoridades e suas particularidades. Após uma turnê no exterior, o artista decidiu retornar para sua terra e desenvolver o projeto do seu primeiro trabalho solo, intitulado “Plugins Amazônicos”, que é uma linda homenagem aos povos indígenas. O disco será lançado nesta sexta-feira (09), com um super show no Sesc Pompeia (São Paulo). No dia seguinte, o projeto será recebido no palco do Sesc Osasco.

Nos últimos três anos, Neto esteve em turnê com Prince e a banda The New Power Generation, especialmente pelos Estados Unidos. “Plugins Amazônicos” nasceu da motivação dele em olhar seu próprio País, seus ritmos e sons. É o resultado musical de uma extensa pesquisa do músico sobre povos indígenas e animais do Norte e Nordeste do Brasil, especialmente uma imersão que incluiu 270 espécies de pássaros da Amazônia.

“Este trabalho é uma homenagem aos índios. Fui à raiz da música indígena. Não coloquei no CD as músicas deles, mas sim composições originais nas quais usei a base, a influência indígena, como na parte das percussões, por exemplo”, relata o músico. “Em 2012, quando voltei para o Brasil, pensei em fazer um disco solo, com minhas composições. Pensei nos índios porque quem é mais brasileiro que os índios?”, acrescentou.

Influência

Apesar de ter morado muitos anos fora, o tecladista afirma que sua influência musical é brasileira. “Eu cresci no Brasil, morei até os 26 anos de idade, tocando com grandes artistas como Roberto Carlos, Tim Maia, Kid Abelha... Essas foram as influências brasileiras que sempre tive. Fiquei fora, mas a minha essência musical é brasileira. A questão para este projeto foi achar as pessoas certas”.

Sons

O projeto buscou reunir ritmos de tribos da Amazônia com melodias de outras regiões do Brasil, trazendo a cultura indígena para perto da modernização atual. São 14 composições de Neto, apresentadas com a seguinte formação: piano acústico, teclados, percussão, baixo acústico e elétrico, violoncelo, viola, dois violinos, baixo, clarinete e sax soprano.

A obra em si traz, segundo o criador, a mensagem de respeito aos índios, aos seus costumes, cultura e crenças. A ideia do artista é, após o período da Copa do Mundo, viajar o País todo divulgando o “Plugins Amazônicos”.

Selo Sesc com outros projetos

O lançamento de “Plugins Amazônicos” faz parte das comemorações dos 10 anos do Selo Sesc, que neste período divulga o que há de melhor na música brasileira, ao mesmo tempo em que produz um precioso acervo musical. Neste ano o Selo Sesc, por exemplo, irá lançar CDs e DVDs de alguns dos mais importantes músicos nacionais.

Em março, Tetê Espíndola ganhou um álbum duplo, e já estão programados um DVD de Caíto Marcondes e Eva Gomyde, gravado ao vivo no Lincoln Center em Nova York, e CDs de Marlui Miranda, um disco de inéditas da cantora caboverdeana Cesária Évora, morta em 2011, e de um encontro entre o pianista brasileiro Marcelo Guelfi e o bandoneonista argentino Rodolfo Mederos.