Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Famílias com múltipla nacionalidade celebram com união e paixão a Copa do Mundo

O esporte mais popular do mundo também é capaz de enlaçar corações de diferentes nacionalidades para torcerem juntos, e em clima de paz, no Mundial

O casal Mássimo Bianchi e Michelle Benchimol Bianchi com os filhos Daniel, 6, os gêmeos Nicole e Matteo, mais Saul (no colo da mãe)

O casal Mássimo Bianchi e Michelle Benchimol Bianchi com os filhos Daniel, 6, os gêmeos Nicole e Matteo, mais Saul (no colo da mãe) (Márcio Silva )

Criada para celebrar o encontro entre povos e nações, a Copa do Mundo já uniu entre as quatro linhas do campo muitos países antagônicos. O esporte mais popular do mundo também é capaz de enlaçar corações de diferentes nacionalidades para torcerem juntos no Mundial.

O poeta Vinicius de Moraes, em seu “Samba da bênção”, dizia que “a vida é a arte do encontro”. Deste modo, o destino aproximou Michelle Benchimol Bianchi e Mássimo Bianchi, que se conheceram em Paris, na Copa de 1998. “No começo nos comunicávamos via telefone ou Internet. Assim foi nos primeiros anos, até que fui fazer um curso em Firenze, na Itália, onde pudemos firmar nossa relação”, recorda Michelle, que já está casada há 14 anos com Mássimo.

O casal ítalo-brasileiro vive em Manaus há dez anos. Ao contrário do que possa parecer, Bianchi adaptou-se muito bem ao estilo de vida manauara, porque segundo sua esposa, ele se mostrou bem receptivo à cultura local. “Claro que teve a fase de adaptação em relação ao clima e aos sabores, mas hoje ele faz questão de comer tapioca e tucumã”, revela Michelle.

Mesmo sem demonstrar muita confiança na Azzurra, nome dado à seleção italiana de futebol, Bianchi não esconde sua torcida. “Vou torcer para a Itália, mas devo admitir que não estou confiante neste time porque a seleção não passa por um bom momento. Não joga bonito como a Seleção Brasileira”.

Via web


A amazonense Priscila Oliver Pitt, assim como milhares de casais no século 21, começou sua relação com o inglês Michael Pitt há três anos via Internet. Bastaram 11 meses para o britânico desembarcar em Manaus a fim de conhecer sua atual esposa. “Quando ele decidiu vir a Manaus eu ainda não dominava o idioma, mas como já havia uma relação, tiramos de letra”, recorda.

Após desembarcar na cidade, Pitt precisou de algumas semanas para se adaptar ao clima e ao “tamanho” de Manaus. “Ele ficou impressionado com a estrutura da cidade, que lhe pareceu muito maior do que poderia imaginar. O trânsito intenso não fazia parte do imaginário dele”, frisou Priscila.

Em março desse ano, o casal oficializou o casamento. Em relação à Copa, o casal Pitt resolveu comprar uma TV nova e assistir aos jogos em casa. A torcida está dividida. “O futebol é fonte de muitas paixões, tanto aqui no Brasil quanto na Inglaterra. Vamos torcer um pelo time do outro até quando for possível. Caso o Brasil venha a perder, torcerei para Inglaterra e do contrário a mesma coisa”, ressaltou Priscila.

Estados Unidos


Morando há 13 anos em Seattle (EUA), a família da brasileira Paula Silvers Newcomer, casada há 11 anos com o estadunidense Thomas Newcomer, garante que vai vibrar pelo Brasil. “O meu marido adora o Brasil, já foi a Manaus quatro vezes e consegue entender bastante o português. Adora peixe com tucumã. Nossas filhas Isabella e Giovanna curtem tudo relacionado ao Brasil e estão muito animadas com a Copa”.

De acordo com Paula, a torcida da família Newcomer será do Brasil. Além do mais, eles esperam se reunir com membros da comunidade brasileira de Seattle. “Com certeza a torcida aqui em casa vai ser para o Brasil. Vamos reunir os amigos com direito a churrasco e muito barulho! Os brasileiros se reúnem e fazem a festa em Seattle”.

Portugal – Brasil – Suiça


O comerciante amazonense Charles Castro vive na Europa há mais de 12 anos. Lá conheceu sua esposa, Maria Otília Cruz de Castro, que gerencia uma rede de supermercados presente em todo continente. “Apesar de ter vivido mais de dez anos em Portugal, nosso filho nasceu na Suíça. Na nossa casa, eu torcerei pelo Brasil ao lado da minha esposa, que torcerá por Portugal. Já nosso filho Charles parece estar meio indeciso entre Brasil e Portugal, porque tem um carinho muito grande pelo Neymar”.

Na data de abertura da Copa do Mundo, a família Cruz de Castro estará torcendo e acompanhando os jogos pela TV na Europa.