Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Paulinho Moska solta a voz nesta sexta-feira (24), em Manaus

Cantor sobe ao palco do Teatro Manauara com repertório repleto de sucessos

O formato deixa o cantor ao mesmo tempo nervoso e tranquilo

O formato deixa o cantor ao mesmo tempo nervoso e tranquilo (Divulgação)

Quem for conferir o show de Paulinho Moska nesta sexta-feira (24) no Teatro Manauara pode esperar um repertório repleto de sucessos. A escolha é do próprio cantor, que faz questão de incluí-los como forma de agradecer ao público pelo reconhecimento. “Acho uma traição um artista não tocar canções conhecidas, pois elas são as responsáveis pelos nossos encontros”, disse. Paulinho vem a Manaus pelo projeto “MPB Petrobras” e apresenta-se no formato voz e violão, buscando equilibrar o nervosismo e a tranquilidade que ele diz experimentar quando protagoniza shows desse tipo.

E o cantor é cheio de antagonismos, aplicados desde o seu discurso falado às suas músicas, como deixa expresso no seu mais recente trabalho - o CD/DVD “Muito pouco para todos”. Fruto de um show gravado no Teatro Ibirapuera em São Paulo, o material é uma tentativa de Moska unir suas diversas facetas artísticas. “Sou formado em teatro, trabalhei com cinema, me envolvi com fotografia e acabei chegando num programa de televisão. Então eu queria criar algo que fosse apenas um show. E alguma coisa foi feita naquela noite que nem as pessoas presentes lá viram... A ideia era essa e deu certo”, explicou em entrevista ao BEM VIVER. “Tem o silêncio e tem os gritos. É intimo mas ao mesmo tempo extrovertido”, disse, reforçando sua preferência pelas dualidades.

Ansiedade

Além das faixas de “Muito pouco para todos”, Paulinho Moska confirma que o público amazonense hoje ouvirá hits como “Último Dia”, “A Seta e o Alvo” e “Pensando em você”. O cantor já esteve em Manaus uma vez, em 1989 quando veio se apresentar ao lado da sua ex-banda Inimigos do Rei. Mas não recorda os trejeitos da plateia local. “Não tenho a mínima ideia do que vou encontrar, mas pelas mensagens que estou recebendo vi que há uma expectativa. Também vou chegar com essa expectativa e nada melhor do que um encontro de expectativas”.

E o show no formato voz e violão talvez potencialize a ansiedade já vivida pelo cantor, inclusive. “A intimidade e tranquilidade estão na minha mão, por isso fico nervoso mas de um jeito criativo em que eu decido as coisas”. Uma coisa, porém é certa: Paulinho tem prazer em interagir com o público, em agradar e dividir o momento de maneira intensa. Diz o cantor que gostaria de ter mais tempo para conhecer a cidade, desejo este impossibilitado pela agenda cheia de todos os dias. Por isso ele promete fazer do encontro de hoje um dia para ficar na memória.

Zoombido em gravação

Estes dias, Paulinho Moska anda atarefado além do normal. O cantor está gravando de uma vez toda a nona temporada de “Zoombido”, programa que apresenta no Canal Brasil. “Gravo 26 programas em 15 dias”, disse. Neste, Moska sempre recebe um artista convidado para falar de música, fotografia, cinema e todos os demais derivados da arte.

O cantor adianta que a nona temporada conta com quatro convidados internacionais: Fito Paez (compositor, cantor e pianista argentino), Jorge Drexsler (cantor e compositor uruguaio), Juana Molina (ex-comediante) e o Fernando Cabrera (músico uruguaio). O programa já com episódios inéditos estreia em maio.