Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Teatro Amazonas é destaque em jornal dos Estados Unidos

Reportagem elaborada pelo jornalista e baixista francês, Antoine Pecqueur, inclui ícone amazonense entre casas de ópera mais belas no mundo

Teatro lírico de Manaus foi eleito um dos mais belos do mundo

Teatro lírico de Manaus foi eleito um dos mais belos do mundo (Euzivaldo Queiroz)

Símbolo de uma cidade que floresceu com a riqueza da borracha, a ponto de trazer companhias e espetáculos líricos da Europa para o centro da Floresta Amazônica, o Teatro Amazonas (TA) já há muito tempo ocupa um lugar único no circuito da arte lírica mundial. Não por acaso, o ícone amazonense foi incluído entre as dez mais belas casas de ópera do mundo, em lista elaborada pelo jornalista e baixista francês, Antoine Pecqueur. A seleção do especialista foi divulgada numa reportagem da seção de Viagens do norte-americano “USA Today”, dias atrás.

“Em Manaus, você está no coração da Amazônia, e neste lugar você encontra este belíssimo espaço. É totalmente louco”, declara Pecqueu na reportagem do “USA Today”. A seleção, diz o texto, reúne os favoritos do jornalista, coautor do livro “As mais belas casas de ópera do mundo”, publicado no final do ano passado. Veja a reportagem (em inglês) aqui: http://goo.gl/6h0G0d/.

O TA surge na lista ao lado de “templos sagrados” da ópera no mundo. Entre eles, o suntuoso Palais Garnier (França), a arrojada Guangzhou Opera House (China) e o vetusto Teatro Olimpico de Vicenza (Itália). “Nas principais casas de ópera do mundo, o apelo não se limita à performance no palco. Os edifícios são obras de arte por eles mesmos”, diz a reportagem, citando Pecqueu: “São um outro mundo de beleza”.

FONTE DE ORGULHO

A inclusão do TA entre as principais casas líricas do mundo foi motivo de “orgulho e satisfação” para Robério Braga, titular da Secretaria de Estado de Cultura (SEC), responsável pelo teatro. “É o reconhecimento internacional de um trabalho que vem sendo feito há muito tempo”, declara ele, relembrando o passado centenário do local. “Houve um gênio chamado Eduardo Ribeiro, que encontrou um projeto de teatro em escombros e, em quatro anos, fez esse monumento maravilhoso”.

Essa história, prossegue Braga, continuou com duas restaurações (1974 e 1990) e a revitalização do espaço a partir de 1997. “Ele adquiriu função dinâmica de hoje, com todas as artes e a ópera em projeção internacional, já que é um teatro feito para isso”, diz.

Templo lírico

O reconhecimento orgulha também a Marcelo de Jesus, maestro e diretor dos Corpos Artísticos da SEC. “O TA tem um encanto próprio, uma estética particular, que impacta as pessoas de forma diferente”, opina o regente, que tem o privilégio de ter o teatro como local de trabalho. “Ficamos anestesiados com a beleza dele por estar lá todo dia, mas de vez em quando vem um estalo, ‘Opa, estou no Teatro Amazonas’”.

De Jesus conta que se surpreendeu ao conhecer o interior da cúpula, notando o caráter antigo, quase rústico, do edifício. E a cúpula justamente é, na visão dele, o que torna o lugar único no planeta: “Uma cúpula com a bandeira da nação no alto é algo que nenhum outro teatro no mundo tem. É algo surreal”.

Apogeu e retomada

Surgido no apogeu da economia da borracha em Manaus, o Teatro Amazonas começou a ser erguido em 1884, de forma lenta, e com maior impulso sob a administração de Eduardo Ribeiro, até ser inaugurado em 31 de dezembro de 1896. O local se destaca, entre outras coisas, pela cúpula de telhas vitrificadas coloridas, pelos diversos ambientes e pelas ricas pinturas.

Com a derrocada da borracha, as encenações líricas terminaram em 1924, e tiveram um longo hiato até serem retomadas em 1997. Naquele ano, foi fundada a orquestra Amazonas Filarmônica. Além de programação diversa ao longo do ano, o TA abriga o Festival Amazonas de Ópera, que inicia a sua 18ª edição no próximo dia 19 de abril.