Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Cuidados com a alimentação do seu melhor amigo

Não dê a ele o que você come, dizem os veterinários

A ração é mais adequada do que os alimentos em si, por ser mais completa e balanceada

A ração é mais adequada do que os alimentos em si, por ser mais completa e balanceada (Érica Melo)

O amor que os tutores de cães têm pelos seus bichinhos faz com que muito do que vivem (e comem) seja “replicado” na vida dos animais. Tudo para fazer com que o bem-estar do pet seja igual ao dos humanos. Nessa enorme vontade de despejar regalias e achar que satisfaz o desejo dos pets, há erros cometidos pelos donos que são dignos de alerta. E em relação à alimentação, os especialistas ressaltam, em coro: não é tudo o que você come que pode ser dado ao cachorro.

Antes de sabermos os alimentos que devem ser ministrados aos cães – bem como o modo em que devem ser oferecidos – devemos ter consciência plena de que a raça do cão influencia fortemente a alimentação correta de cada cão, segundo a veterinária Liliany Bindá. “Existem cães de pequeno, médio e grande porte, e cada um com suas diferenças metabólicas e morfológicas. Um cão de pequeno porte, como um Pinscher Miniatura, requer uma necessidade energética e de gordura maior que um cão de porte médio ou

porte grande. Existem no mercado os mais variados tipos de ração, ideais para cada fase de vida do cão, inclusive para raças específicas, como Bulldogs, Duchshund, Yorkshire Terrier, Shih Tzu, Golden Retriever, dentre outras”, pondera ela.

E isso começa na vida do cão desde pequeno. Ainda conforme Bindá, é importante que até os 45 dias de vida o cãozinho tenha sido alimentado com leite materno e tenha recebido o Colostro -  a primeira alimentação que o filhote recebe da mãe - onde ele irá adquirir sua imunização através desta. “Após esse período, a transição para

 o alimento seco deve ser realizada. O alimento deve ser ministrado em frações, ou seja, pequenas porções várias vezes ao dia (3 a 6 vezes), e o ideal é que seja com ração específica para filhotes, pois estas possuem grãos pequenos. Caso o filhote tenha dificuldade para mastigação é viável umedecer o alimento com água morna”, ressalta a especialista.

Para ele, apenas

E não vá achando que os restos do seu almoço serão bem “aproveitados” pelo estômago do seu pet. Os cães possuem necessidades nutricionais diferentes das do homem, conforme a veterinária. “Além de serem bastante curiosos e sempre ‘pedir’ o que comemos, devemos ter muito cuidado e cautela com o que oferecer. Alimentos comumente oferecidos pelos proprietários aos seus cãozinhos, como chocolate, pão, ossos de galinha, queijos, bebidas alcoólicas e peixe cru podem causar sérios problemas como diarreias, vômitos e intoxicação”, pontua Bindá.

O alimento ideal para o cão deve ser balanceado e possuir todos os nutrientes essenciais para suprir suas necessidades e manter sua saúde. Devem possuir proteína, gordura, vitaminas, minerais e fibras, comenta Liliany. “As vitaminas são essenciais: a Vitamina A, por exemplo, é importante para visão, pele. A Vitamina D tem sua importância na regularização do metabolismo de cálcio e fósforo. A Vitamina B1 é importante para o funcionamento do sistema nervoso. A Vitamina C ajuda na prevenção de doenças causadas pelo envelhecimento, dentre outras. O cão adulto deve comer  duas vezes ao dia”, diz ela.

É diferente

Os cães são animais extremamente afetuosos, características estas que os tornam não só bichinhos de estimação, mas sim membros da família. E um membro da família recebe o mesmo tratamento que nós, o que faz com que o homem acredite que ele possa comer a mesma alimentação que ele come. Ledo engano, conforme Bindá. “Devemos levar em consideração que são necessidades nutricionais e metabólicas diferentes das  do homem e que a melhor alternativa é conversar com o médico veterinário do seu cãozinho para saber qual o tipo de alimentação correta a ser oferecida”, diz a especialista.